quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Queda no desmatamento

O governo federal anunciou, nesta terça-feira, a menor taxa de desmatamento já registrada na Amazônia: 4,6 mil quilômetros quadrados. Com ele, este é o quarto ano consecutivo de redução de uma taxa que há alguns anos já bateu os 27 mil quilômetros quadrados.
Essa queda deixa claras duas coisas: o fim do desmatamento não só é necessário como perfeitamente possível. E só chegamos a ele por conta da pressão que eu, você e boa parte da sociedade fazemos sobre governos e empresas.
Assine a Petição
Bom exemplo disso é o projeto de lei de iniciativa popular do desmatamento zero. Em poucos meses, mais de 640 mil pessoas já assinaram embaixo da proposta que quer zerar a destruição nas nossas florestas. É uma lei feita pelo povo e para o povo brasileiro.Assine a petição pelo Desmatamento Zero. Precisamos do maior número possível de assinaturas para levar o projeto ao Congresso.
Apesar da redução do desmatamento, ainda temos 4,6 mil quilômetros quadrados de destruição pela frente. Isso equivale a quase dois mil campos de futebol desmatados a cada dia. Juntos, podemos dar um fim nisso. Junte-se a nós.

terça-feira, 27 de novembro de 2012

Rindo da gente!!!!

















COMEÇA A TRANSIÇÃO ADMINISTRATIVA AO PRÓXIMO GESTOR DE MARABÁ





Aspecto central da reunião de trabalho da Comissão de Transição - Imagem Folha do Pará

A comissão de transição foi instalada e já iniciou os trabalhos, um deles foi rir da gente!

Zucatelli diz ser dono de área onde oleiros fabricam tijolos há mais de 30 anos

FAMÍLIAS QUE OCUPAM ÁREA DA FOLHA 33, HÁ MAIS DE 20 ANOS, ESTÃO AMEAÇADAS DE DESPEJO
            Um grupo de 30 famílias, que reside na Folha 33, entre a Rodovia Transamazônica e o Rio Itacaiunas, nas proximidades da ponte, foi surpreendido no dia de ontem, com uma ordem de despejo assinada pela Juíza da 3ª Vara Cível de Marabá, Maria Aldecy, autorizando o despejo imediato de todas as famílias. Alguns moradores já residem no local há mais de 20 anos, vivendo da produção de tijolos. O que chama a atenção no caso é que, embora residam há poucos metros do Fórum, bastando atravessar a ponte, nenhum morador foi intimado para tomar conhecimento do processo ou participar de alguma audiência.
            O caso dos moradores da 33, é mais um exemplo, de como imóveis de patrimônio do município de Marabá estão sendo apropriados ilegalmente por empresários locais.  Conforme consta no processo judicial, o Município de Marabá, por meio de título de aforamento expedido em 1964, autorizou a concessão de enfiteuse a Ireno dos Santos Filho. Durante 47 anos a enfiteuse nunca foi resgatada, estranhamente, em 03.01.2011, o resgate foi feito e, dois meses após, a área foi vendida para o empresário Ronaldo Zucatelli. Analisado a situação jurídica da área observa-se que há, fortes indícios, de que o processo de aquisição do imóvel  tenha sido resultado de uma fraude imobiliária, envolvendo a SDU e o empresário.  
            O imóvel que o empresário Zucatelli diz ser dono, integrava a légua patrimonial de Marabá (4.356 hectares) doada pelo Estado do Pará ao Município de Marabá, no ano de 1927 e devidamente titulada no ano de 1943. Entre os anos de 1959 a 1972, o município de Marabá expediu títulos de enfiteuse para inúmeras pessoas dentro dessa área. No entanto, no ano de 1973, o município de Marabá, por meio da Lei nº 96/73, doou à SUDAM cerca de 30% (1.621 há) do total do imóvel para a implantação do bairro da Nova Marabá. Ao receber o imóvel, a SUDAM se deparou com inúmeras pessoas que tinham recebido o direito de enfiteuse sobre essa área.
            Visando então o controle total da área, o então Presidente da República, no ano de 1973, editou o Decreto nº 72.254, autorizando a desapropriação de todos os detentores dos títulos expedidos pela Prefeitura na área dos 1.621 há. Todos e detentores de enfiteuse foram devidamente indenizados e, no mesmo ano, a Justiça Federal autorizou a SUDAM a tomar posse da totalidade do imóvel. Portanto, com a desapropriação foram extintos todos os contratos de enfiteuse existente sobre a área. A pergunta é óbvia: se todos os contratos de enfiteuse foram extintos pelo ato da desapropriação em 1973, como pôde restar esse título expedido em 1964? Como alguém poderia resgatar algo que não mais existia 38 anos depois?
            Outro fato grave que merece destaque é que: no Título de Aforamento expedido em 1964 pelo Município de Marabá, a Ireno dos Santos Filho, a área do imóvel era é de apenas 979 m². Estranhamente, quando efetuado o primeiro registro imobiliário sobre o imóvel não foi mencionada a área total indicada no título. Entretanto, a área objeto da pretensão do empresário no processo é de exatos 67.071,01 m², ou seja, 68 vezes maior do que previsto no título originário. Chama ainda a atenção que, de acordo com informações dos moradores, Ireno dos Santos Filho, tem hoje cerca de 58 anos de idade, o título objeto do negócio foi expedido em 1964, ou seja, Ireno tinha à época apenas 10 anos de idade. Como a Prefeitura poderia expedir um Título para uma criança nessa idade?
                Mesmo com todos esses indícios de fraude, a Juíza Maria Aldecy, autorizou o despejo das famílias sem ouvi-las, sem consultar o município de Marabá e sem nenhum parecer do Ministério Público.
                Marabá, 27 de novembro de 2012.
Associação do Oleiro Artesanal da Folha 33 – ASSOART.
            Comissão Pastoral da Terra – CPT

domingo, 25 de novembro de 2012

Governo João: segundo Damião!

Planejamento Participativo de Marabá evento, que na verdade é uma ação ampliada da transição do governo do Mau, para um Governo da Mudança, tem como coordenador geral Luiz Carlos Pies (PT) - Vice-Prefeito de Marabá, o advogado Roberto Salame Filho (irmão e homem de confiança do Prefeito João Salame) e do publicitário/jornalista Claúdio Feitoza. Participaram outros competentes quadros como membros da equipe de transição.
A fala do Prefeito João Salame - PPS foi excelente um discurso forte e firme:
"contra a corrupção"
"A escolha dos secretários/as está dependendo dos partidos aliados indicarem os nomes"
"Está bem articulado com Brasília, conseguiu bastante emendas"
A impressão sem bajulação, é que teremos um homem bem preparado a altura que Marabá está precisando, depois do Mau.
Os nomes dos/as possíveis secretários/as (bastidores):
O professor Gilson Dias - PPS está muito tranquilo e articulado contemplando Márcio Costa e outros - Saúde;
Jhosy - PPS tem interesse pelos Serviços Urbanos;
Os vereadores: Pedro Souza manterá sua influência na educação e mantém sua sentinela, Ubirajara está tranquilo com suas tribos e a defesa da juventude, não vi Hiran da Maderereira.
O coronel Araújo - PR deverá ser da base, Prefeito mencionou a possibilidade de inagurar no centenário Pontos de Moto e Táxi;
Deize Botelho - Cultura - Claúdio Feitoza (Comunicação e Projeto Centenário);
Gaúcho -  Esportes contemplando Eriomar  ADRENMA;
Raimundo Salame - Fazenda;
Luiz Carlos ou Nilma Maneschi - Planejamento;
PMDB - Obras; 
A Educação, disponibilizada para o PT. O grupo/tendência da Deputada Bernadete e do Vice-Prefeito Luiz Carlos tem como indicação o educador popular Luiz Bressan, que fez uma fala bem segura e afinada com a temática, está bem assessorado com a Profa. Flor (Diretoria de Ensino) e pelo Prof. Walter (Diretoria de Infraestrutura). O Deputado Federal Zé Geraldo participou do evento para fortalecer a participação do PT. O grupo Articulação Socialista (AS) liderada no Pará pelo Deputado Federal Beto Faro - líder da bancada indicou o nome da professora e vereadora Toinha, que conta com o apoio das tendências: Democracia Socialista (DS), Unidade na Luta, e com os bons olhos do SINTEPP. O pedagogo Zuca assessor parlamentar Beto/Milton está intermediando as discussões que devem subirem para Belém e Brasília.
O PT deve indicar ainda Turismo e Agricultura. Há até possibilidade do Milton Maranhense virar vereador e Marcelo Alves ficar bem perto da Câmara Municipal.

Professores rejeitam nomeação de Cláudia Costin para o MEC


Apesar de muito criticada por sua visão neoliberal e privatizante, a atual secretária municipal de Educação do Rio de Janeiro, Cláudia Costin,  foi convidada  pelo ministro Aloizio Mercadante para assumir a Secretaria de Educação Básica do Ministério da Educação (MEC).
Importantes setores da Pedagogia no País estão profundamente preocupados com a nomeação de Costin, que foi ministra da Administração no governo Fernando Henrique Cardoso, esteve ligada ao desmonte do Estado brasileiro, além de ter sido diretora da Fundação Victor Civita, do Grupo Abril/Veja.
Por isso, pesquisadores, professores, estudantes e suas entidades representativas lançaram o abaixo-assinado Cláudia Costim, não!  Ele é destinado ao ministro Mercadante, aos Sindicatos da Educação, Escolas Municipais, Estaduais e Federais, Universidades Públicas, Entidades Acadêmicas. Segue o texto do manifesto, que já tem mais de 3 mil assinaturas.
CLÁUDIA COSTIN, NÃO!
A privatização do ensino público, a fragmentação do trabalho docente, a perda da autonomia dos professores, a submissão estrita aos cânones neoliberais têm sido implementados por Cláudia Costin à frente da Secretaria Municipal da Educação na cidade do Rio de Janeiro.
Seu autoritarismo didático e de conteúdos, prescritos em cadernos e apostilas, emanado das orientações dos organismos internacionais ampliam o abandono da educação básica da grande maioria da população, historicamente relegada à carência de escolas e, mais recentemente, à desqualificação da educação nas escolas existentes. Além disso, no Rio de Janeiro, professores, gestores e funcionários têm sido alvo de aliciação pecuniária, os bônus financeiros, através de remuneração extraordinária pelo desempenho dos alunos, traduzido em um percentual de aprovação de alunos nas turmas e no conjunto da unidade escolar, como compensação aos baixos salários.
Não por caso, quando Ministra da Administração Federal e Reforma do Estado no governo FHC, foi uma das responsáveis pela idealização e implementação do desmonte do Estado, incluindo-se aí as privatizações ou a venda do país e a quebra da estabilidade dos servidores públicos.
Se confirmada Cláudia Costin à frente da Secretaria de Educação Básica, é esperada a descaracterização da educação fundamental e média com o apagamento do professor e do aluno como sujeitos históricos. Costin faz parte de um grupo de intelectuais que seguem a férrea doutrina do mercado, onde tudo vira capital, inclusive as pessoas. Não mais educação básica, direito social e subjetivo, mas escola fábrica de capital humano. Uma versão bastarda do ideário republicano de escola, como a define Luiz Gonzaga Belluzzo, em brilhante texto na Carta Capital de 29.08.2012. Esta visão bastarda de educação objetiva apagar qualquer senso crítico dos alunos. Trata-se de transformar, para Belluzzo, recorrendo a Marshall Berman, a ação humana em repetições rançosas de papéis pré-fabricados, reduzindo os homens a indivíduos médios, reproduções de tipos ideais que incorporam todos os traços e qualidades de que se nutrem as comunidades ilusórias.
Delegar à administradora esse setor vital da educação brasileira é declinar de todos os embates e propostas da educação, em contraponto às políticas neoliberais dos anos 1990.
Professores, pesquisadores, estudantes e suas entidades representativas vêm publicamente, protestar contra o arbítrio economicista, degradante e mutilador para a educação das gerações de jovens da educação básica que sua presença na SEB traria à educação básica, não apenas na cidade do Rio de Janeiro, mas em todo Brasil. Cláudia Costin, NÂO!
Texto coletivo dos abaixo-assinados:
Dermeval Saviani –Unicamp
Mirian Jorge Warde – PUC-SP
Roberto Leher – UFRJ
Gaudêncio Frigotto – UERJ
Virginia Fontes – UFF/Fiocruz
Maria Ciavatta – UFF
Dante Henrique Moura – IFRN
Vânia Cardoso Motta – UFRJ
Eveline Algebaile – UERJ
Domingos Leite Filho –UTPr
Sônia Maria Rummert – UFF
Marise Ramos –UERJ e FIOCRUZ
Olinda Evangelista – UFSC
Domingos Leite Filho – UTPr
Laura Fonseca – UFRGS
Carmen Sylvia Morais - USP
Sônia Kruppa – USP
 Para assinar o abaixo-assinado, clique aqui.

Fonte: http://www.viomundo.com.br - Blog do Luiz Carlos Azenha

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Nota do PSOL



PARTIDO SOCIALISMO E LIBERDADE
DIRETÓRIO MUNICIPAL DE MARABÁ - PA


Nota sobre as Alianças em Belém e Macapá

Fomos surpreendidos com a notícia de que Lula e Dilma apareceria no programa de televisão do PSOL. Mesmo já sabendo do apoio anunciado pelo PT à candidatura do Edmilson, o qual interpretamos como uma contradição do PT e não nossa. Mas, não foi só um apoio, foi uma aliança mais profunda.

Achamos que tal aliança desrespeitou a militância partidária que construiu uma alternativa política nestas eleições. Militância essa que enfrentou o lulismo. Lula e Dilma se aliaram ao que há de mais podre na política nacional, como Eduardo Paes no Rio de Janeiro,  Maluf em São Paulo e Jader Barbalho em Belém e muitos outros no Brasil. Utilizaram-se da máquina pública para tentar eleger os candidatos da base governista colocando seus ministros para fazerem campanha.

Essa aliança rasgou o programa partidário. O PSOL não surgiu como oposição oportunista ao governo Lula. Rompemos com o PT por definição de classe e programática. Saímos do PT quando percebemos o esgotamento desse partido como ferramenta de luta para o povo. Discordamos quando Lula aprovou a reforma da previdência de 2003 e expulsou os radicais do PT. Estivemos na linha de frente denunciando o Mensalão, e junto com os trabalhadores  em todas as greves do serviço público federal. Denunciamos a política econômica do governo perante a crise.

E agora, nessas eleições vimos que pra ganhar uma prefeitura nos aliamos com o inimigo. Mas, o pior foi mesmo defender o inimigo e suas realizações, como minha casa minha vida, que manteve os  lucros das construtoras. Depois da maior greve da educação federal por melhores condições de trabalho e educação com qualidade, onde a juventude do PSOL teve uma forte participação, levaram para a TV o Ministro da Educação Aluísio Mercadante. Edmilson assumiu nos debates, que iriamos governar de mãos dadas com a Dilma, para isso ocorrer PSOL teria que ser base do governo, será que foi esse o acordo?

Entendemos que, a aliança com PT em Belém e PTB e DEM em Macapá, é  a expressão de uma política eleitoreira defendida pelo presidente do PSOL Ivan Valente e sua corrente (Dissidência da APS). Essa tática eleitoral mostra que o horizonte estratégico de uma parte da direção nacional é apenas eleitoreiro. Perfil que o PT assumiu quando deixou de lado a mobilização do povo para apostar, que através de vitorias eleitorais pode-se fazer mudanças. Mas, essa estratégia eleitoral só tem viabilidade quando nos aproximamos de partidos representantes dos interesses burgueses como o ocorrido em Belém e Macapá.

Repudiamos a linha política e as alianças que foram feitas no segundo turno em Belém e Macapá. Nossa luta no próximo período será combater as posições oportunistas que desviam o partido de seu perfil fundacional. O diretório municipal faz um chamado a militância partidária à combater a política expressa em Belém e Macapá. Repudiamos também o apoio recebido do PDT de Giovanni Queiroz e do prefeito eleito de Marabá João Salame (PPS) que ambos representam na política os latifundiários da região sul e sudeste do Pará.

Diretório Municipal PSOL Marabá

Processo Seletivo para Professor da UFPA



PLANO DE PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR


I – IDENTIFICAÇÃO

1.1 - Unidade Acadêmica ou Regional: Campus de Marabá.

1.2 – Subunidade Acadêmica: Faculdade de Ciências Sociais do Araguaia Tocantins.

1.3 - Regime de Trabalho: 40 horas.

1.4 - Número de Vagas: 01.

1.5 - Matéria ou Disciplina(s): Teorias Políticas Clássicas I e II,
Política e Relações Internacionais e afins.

1.6 - Justificativa:
Encerramento do contrato do professor substituto Francisco Macedo e a
não conclusão do tempo de liberação da professora Marilza Sales para o
doutorado, deixando a descoberto diversas disciplinas que integram o
planejamento acadêmico (do 4 período) de 2012, e o desenho curricular
do curso de Ciências Sociais.

II – DA INSCRIÇÃO

2.1 - Perfil do candidato: Graduação em Ciências Sociais.

2.2 - Local da inscrição: Colegiado da faculdade de Ciências Sociais;
Universidade Federal do Pará –UFPA, no Folha 31 – Quadra 07 e Lote
Especial / Campus I, Bairro: Nova Marabá – Marabá / Pará. CEP:
68.509-970. Tel: (94) 2101-7106.
Horário: de 22 de Novembro a 03 de dezembro de 2012, das 8:00 as 12:00
e 14:00 as 18:00.


III – DA COMISSÃO EXAMINADORA

Presidente: Dra. Célia Congílio.
Membro 2: Dr. Clóves Barbosa.
Membro 3: Msc. Raimundo Wanderley Correa Padilha.
Suplente: Dra. Edma Moreira.

IV – DA(S) PROVA(S)

4.1 – Provas: Escrita, Didática e Títulos.

4.2 – Programa.

1. A política e filosofia clássica.;
2. Maquiavel e a teoria política Moderna;
3. Locke e a teoria liberal de Estado;
4. Tocqueville e a democracia americana;
5. Marx: Estado e Sociedade;
6. Weber: Estado e Sociedade;
7. Lenin e o estado e a revolução;
8. Gramisc: estado e sociedade Civil;
9. Políticas Públicas e Movimentos Sociais;
10. Relações Internacionais e Política Comparada.

4.3 - Sugestões de Bibliografia

1. AVELAR, Lúcia & Cintra, António Octávio (org.). Sistema Político
Brasileiro: Uma introdução. São Paulo, Konrad Adena uer Stilftung. Ed.
UNESP, 2004.
2. BOBBIO, Norberto. A Teoria das Formas de Governo na História do
Pensamento Político. Brasília. Ed. UNB, 1980.
3. BOBBIO, Norberto. Estado e Sociedade na Filosofia Política Moderna.
São Paulo. Ed. Brasiliensc, 1986.
4. CARNOY, Martin. Estado e Teoria Política. Campinas, Papirus, 1986.
5. HECR., Mônica & Hoffmann. Organizações Internacionais; História e
Prática. Rio de Janeiro: Elscrvier/Ed. Campus, 2004.
6. MICHELS, Robert. Sociologia dos Partidos Políticos. Brasília.
Editora UNB. 1982.
7. MIYAMOTO, Shiguenoli & Carvalho. Patrícia Nasser de. A Onu e paz
Mundial: Alcance e Limites. Campinas. IFCH/UNICAMP, Primeira versão n°
119, 2003.
8. PRZEWORSKI, Adam. Capitalismo e Social-Democracia. São Paulo: Cia
das Letras, 1989.
9. PRZEWORSKI, Adam. Estado c Economia no Capitalismo. RJ. Ed. Rclurne
Dumará, 1995.
10. SANTOS, Wanderley Gui lherme dos. Votos e Partidos, Almanaque de
Dados Eleitorais: Brasil e outros Países. Rio de Janeiro: FGV Editora,
Faperj. 2002.
11. VIANNA, Luís Werneck ((org.). A Democracia e os Três Poderes no
Brasil. Belo Horizonte. Editora da UFMG, IUPERJ/UCAM, Faperj, 2002.
12. WELFORT, Francisco. Os Clássicos da Política. V.I. e II. São
Paulo, Ed. Ática, 1989.

4.4 - Local, horário e datas.

Local: Sala 04 do pavilhão de Ciências sociais.

Horários e Datas:
Homologação das inscrições: 04 de dezembro de 2012.
Prova Escrita: 05 de dezembro de 2012, às 08:00 horas.
Prova Didática: 07 de dezembro às 08:00 horas.
Prova de Título: 08 de dezembro às 08:00 horas.

V – DO JULGAMENTO E CLASSIFICAÇÃO

Avaliação das provas escrita e didática:
As provas serão eliminatórias sendo reprovados os candidatos que
obtiverem nota inferior a sete.
Os candidatos apr ovados serão classificados pela Comissão Julgadora,
obedecendo à ordem decrescente da média aritmética das notas finais
dos títulos e de cada prova.

Julgamento de título:

O julgamento de títulos será realizado por meio de exame do curriculum
vitae e, quando do seu julgamento e avaliação, a comissão examinadora
considerará e pontuará, desde que devidamente comprovados, os
seguintes grupos de atividades:
I- Grupo I- Formação acadêmica
II- Grupo II- Produção científica, artística, técnica e cultural;
III- Grupo III- Atividades Didáticas
IV- Grupo IV- Atividades Técnico-Profissional.

Para os títulos constantes da formação acadêmica serão considerada
apenas a maior titulação.
A pontuação obedecerá à pontuação da resolução do CONSEPE para
concurso de professores efetivos da UFPA.

Resultado final:

Serão aprovados os que obtiverem nota final igual ou superior a média
aritmética simples das pontuações das provas e títulos.
O resultado final do concurso será divulgado em até 07 (sete) dias
após a realização da última prova, e será afixado no quadro de aviso
da Faculdade de Ciências Sociais do Araguaia Tocantins – Campus de
Marabá. Vedada à divulgação parcial, salvo da prova de títulos e a
homologação da inscrição

Marabá, 08 de outubro de 201

Governo João: A insistência do Luiz!

O debate  depois da eeição para composição de governo, em  Marabá não tem sido fácil dentro do Partido dos Trabalhadores, por conta da disputa interna, das tendências, PT pra valer, e  Articulação Socialista, em torno do nome que vai ocupar Secretária de Educacão  no futuro governo João. Fontes  revelam  que antes da eleição não houve debate sobre quem deveria ocupar a pasta, apenas sobre a composição de Luiz Carlos como vice na chapa vencedora  de Salame, que sempre afirmou que o perfil dos secretários deveria obedecer critério técnico e político. O nome de Bressan indicado por Lz e Bernadete, não é de um  professor e  nem na área da educacão,  a experiência vem da base de lutas do partido como presidente e na agricultura. Por isso enfrenta forte resistência do Sintepp, sindicato que representa a categoria, que já disse ao próprio Bressan  ao vice,  e a deputada, que  não apoiam o nome. A Articulação Socialista, indicou a professora  Antônia Carvalho, que se elegeu para o segundo mandato, com votos de todos os setores, mais a maioria  foi dos  trabalhadores da educação. O nome está disposição e é bem aceito pelo Sintepp, certamente deixa o prefeito eleito em uma situação nada confortável, em relação ao perfil dos secretários anunciado no período da campanha. (Zeca Moreno)

OAB: Sai Haroldo, entra Haroldo

Por 85 votos a 55, a chapa encabeçada por Haroldo Gaia e Ocilda Nunes venceu a eleição realizada ontem para a Subsecional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) em Marabá, em disputa com a chapa de Carlos Nunes.
Apoiado pelo grupo do presidente atual, Haroldo Júnior, eleito duas vezes seguidas para o cargo, Gaia disse que a defesa das prerrogativas do advogado e apoio efetivo à categoria continuarão como características da sua administração. 

Mulheres em marcha!

 As ruas do Distrito Cidade Nova serão tomadas por mulheres em marcha no próximo sábado (24). A mobilização em torno do Dia Internacional de Não Violência contra a Mulher, deve reunir centenas de mulheres lutadoras.


Concentração:  Praça da Liberdade - 07:30

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

Começa o Governo Salame!

 O Governo do João têm início amanhã (22) com a realização do Seminário do Planejamento Participativo do Município de Marabá.  No  auditório  da secretária municipal de saúde será palco do evento que  vai contar com a   presença técnicos da Vale e convidados de outras cidades, na pauta o diagnóstico  e as propostas para os 180 dias do governo João .

12 condenados

http://www.jfpa.jus.br/noticias/ver.php?id=1117

Doze do extinto Cefet são condenados pelo crime de peculato
19/11/12 19:03


      Dois membros da direção do Centro Federal de Ensino Tecnológico
do Pará (Cefet) - atual Instituto Federal de Educação, Ciência e
Tecnologia – no período de 1993 a 2001, além de dez servidores, alguns
deles professores, foram condenados em sentença da 3ª Vara Federal
pela prática de peculato. O crime consiste em apropriar-se o
funcionário público de dinheiro, valor ou qualquer outro bem móvel,
público ou particular, de que tem a posse em razão do cargo, ou
desviá-lo, em proveito próprio ou alheio.

      Segundo a denúncia oferecida pelo Ministério Público Federal, os
docentes recebiam seus vencimentos sem comparecer ao trabalho. Se
somadas, as penas ultrapassam os 30 anos de prisão. Ainda cabe recurso
ao Tribunal Regional Federal da 1ª Região, com sede em Brasília.

      A sentença (veja a íntegra em anexo), assinada pelo juiz federal
Rubens Rollo D’Oliveira, tem a data de 12 de novembro, mas somente
nesta segunda-feira é que foi divulgada. Sérgio Cabeça Braz,
ex-diretor geral do Cefet, foi condenado a oito anos de reclusão, a
serem cumpridos em regime semiaberto. Em maio do ano passado, ele foi
apenado, em outro processo, a 16 anos de prisão também pelo crime de
peculato.

      Na nova decisão, além de Sérgio Cabeça, Antônio Cláudio
Fernandes Farias, ex-diretor de Pessoal, foi sentenciado a cinco anos
de reclusão. Por insuficiência de provas, Fabiano Assunção de
Oliveira, ex-diretor do Departamento de Ensino (Depen), foi absolvido.
O réu José Garcia Neto, responsável pelo convênio firmado entre o
então Centro Federal de Ensino Tecnológico do Pará e o Instituto de
Aviação Civil (IAC), teve declarada extinta a punibilidade, uma vez
que já faleceu, o mesmo ocorrendo em relação a Felisberto Ribeiro de
Souza e Jorge Cantanhede França.

      Os réus Antônio Valentin Perin, Gustavo Batalha Vilas Boas,
Paulo Sérgio Mendes Rodrigues, Victor Swami Ribeiro Alves, Leila Maria
Costa dos Santos, Adelaide Maria Freire Viggiano, Maria de Nazaré de
Mello e Silva Soares, Patrícia Freire de Avelar, José Guilherme Jaime
de Avelar Júnior e Mayra Rodrigues Garcia foram condenados, cada um, a
dois anos de reclusão, em regime aberto. Em decorrência da quantidade
da pena privativa de liberdade, o juiz substituiu-a. determinando que
os réus doem o valor referente a dois salários-mínimos a instituições
beneficentes, que ainda serão indicada pela 3ª Vara.

      Irregularidades - “Poucas vezes vi um órgão com tantas
irregularidades quanto o hoje extinto Cefet/PA”, diz na sentença o
juiz federal. “O caso dos autos, além de prevaricação e nepotismo
atingiu também o peculato. Usou-se a Lei nº 8.745, de 09.12.1993, com
fundamento na excepcionalidade do interesse público e sua
temporariedade para contratar amigos e parentes da cúpula”, acrescenta
o magistrado.

      Rubens Rollo reconheceu que o processo seletivo simplificado não
exige concurso público, mas também não dispensa a ampla divulgação.
“Isso no Cefet não ocorria, como já exaustivamente auditado, bastando
as famigeradas publicações de editais internos (se é que existiam).
Desrespeito para com os milhares de candidatos que aguardam a chance
de concorrer honestamente a um cargo público, mesmo temporário”,
afirma a sentença.

      O magistrado ressaltou que o favorecimento a parentes, amigos e
apadrinhados político ligados à direção do Cefet configurou o crime de
prevaricação, que estava, porém, prescrito. “Entretanto, pagar o
contratado sem dele exigir-se trabalho é peculato bilateral (dirigente
e servidor) porque a finalidade da cúpula era enriquecer, sem causa,
os protegidos. Os dirigentes responsáveis pelo fato concorreram para
que servidores se apropriassem de dinheiro público, embora não tendo a
posse do dinheiro, valendo-se da qualidade de funcionário”, reforçou
Rubens Rollo.

Justiça Federal - Seção Judiciária do Pará
Seção de Comunicação Social

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Te liga, vem aí o BBB Marabá!




A  instalação das 45 câmeras de videomonitoramento será concluída até o final de dezembro próximo, faz parte das condicionantes para a instalação da Alpa. Está sendo priorizada a instalação das câmeras às proximidades de agências bancárias e ainda no comércio em geral,
as 45 câmeras irão funcionar 24 horas com três monitores mostrando ao vivo as imagens no Centro de Controle que funcionará na Secretaria de Planejamento. 
(Fonte: CT)

Consulta Popular apóia mensaleiros

Movimentos sociais próximos dos petistas também se articulam nessa direção.
A Consulta Popular, organização política que reúne representantes de movimentos sociais de 17 Estados, lançou neste domingo (18) uma convocação à "sociedade brasileira", para que una suas forças e lute "pela revogação das condenações e das penas ilegalmente impostas". A nota, definida ao final de uma reunião plenária de três dias, comparou os ministros do STF a feitores de escravos e a agentes da ditadura militar.
A cúpula petista, porém, trata o assunto como encerrado. Acredita que prolongar a discussão significa "prolongar a sangria".
Mesmo que sejam instados, na próxima reunião do diretório nacional, em dezembro, a promover atos para se contrapor ao Supremo, os dirigentes definiram que a nota divulgada na quarta-feira (14), na qual o partido afirmou que o STF tentou criminalizar o PT, foi sua última manifestação.
Outro integrante do diretório, o radical Markus Sokol, vê "insatisfação na base do partido" com a condução da discussão. Ele defende a realização de atos públicos para "manifestar repúdio à sentença". Segundo o militante, "para além do apenamento, há uma agressão ao PT. Se ficar sem resposta, outras organizações que incomodam a elite dominante não poderão se sentir garantidas".
Ex-secretário sindical do PT, João Felício entende que o PT deve fazer uma campanha nacional em defesa do julgamento do valerioduto tucano.
Dois atos já foram convocados. Um terá a presença de Genoino, que comporá no próximo sábado (24) uma mesa com Sokol e outros petistas à esquerda do partido, como o deputado Fernando Ferro (PT-PE) e o presidente da CUT, Vagner Freitas. (Fonte:Estadão)

Ver aqui

Vitrine Tecnológica

VITRINE TECNOLÓGICA DE ESPÉCIES FORRAGEIRAS


Por Rosana Maneschy (UFPA/ Campus de Marabá)

O Programa de extensão "Vitrine tecnológica de espécies forrageiras inoculadas com fungos micorrízicos arbusculares (FMAs)" da Faculdade de Ciências Agrárias de Marabá, com apoio da Pró-reitoria de Extensão (PROEX) da UFPA, foi constituído a partir de projetos de pesquisa e desenvolvimento em andamento da FCAM. E tem como objetivo divulgar o uso de espécies de forrageiras e insumos biológicos. A vitrine é um espaço educativo para auxiliar na formação dos estudantes de agronomia vinculando as atividades práticas das disciplinas do Projeto Pedagógico do Curso, e na atualização de agricultores e técnicos a partir da difusão de tecnologias agroecológicas adequadas aos agroecossistemas amazônicos visando à sustentabilidade da atividade agropecuária na região sudeste do Pará.

Entre em contato conosco e agende uma visita (romaneschy@gmail.com)!

Outras informações no folder, abaixo.



sábado, 17 de novembro de 2012

Audiência da Comissão Nacional Verdade


O deputado estadual Edmilson Rodrigues (PSOL) participou neste sábado, 17, da audiência pública da Comissão Nacional da Verdade (CNV), em Marabá. Ao lado da membro da CNV, Maria Rita Khel e de Paulo Fonteles, da Comissão Paraense da Verdade, ele ouviu vários depoimentos emocionantes de índios e trabalhadores rurais que foram torturados, violentados e viram companheiros e familiares morrerem durante a guerrilha do Araguaia. Aaudiência foi realizada no plenário da Câmara Municipal de Marabá, que estava lotada de trabalhadores rurais e indígenas da região, que testemunharam esses capítulo ainda obscuro da História do Brasil. Essa foi a oitava audiência pública realizada pela CNV, que pela primeira vez foi ouvir depoimentos fora de uma capital. Em seu pronunciamento, Edmilson Rodrigues destacou a sua emoção em ouvir tantos depoimentos fortes de violação de direitos humanos e de crimes contra a humanidade. "Fiquei emocionado e muito constrangido como cidadão brasileiro ao ver o vídeo em que ministro do interior, vice-presidente da República e até membros da direção da Funai vêem índios carregarem uma pessoa em um pau-de-arara. Sabemos que houve censura naquela época, mas também houve medo de jornalistas e a conivência dos veículos de comunicação que deixaram escondidas por mais de 40 anos essas imagens da nossa história. Não podemos deixar essa história esquecida porque esses crimes contra a humanidade não prescrevem e o povo precisa conhecer a sua história porque isso é fundamental para o fortalecimento da democracia e para a construção de uma sociedade mais justa e feliz", destacou Edmilson. O líder do PSOL também ressaltou que é autor de um projeto de lei que cria a Comissão Estadual da Verdade. Porém, o projeto de lei teve parecer contrário da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa do Estado do Pará (Alepa) e por isso nunca foi aprovada."Mas, na última vinda da CNV ao Pará, o governador Simão Jatene se comprometeu em criar a Comissão Estadual da Verdade no Pará e, na ocasião eu destaquei o seu comprometimento porque acredito que não importa de quem é a autoria, mas que a verdade dessa história seja resgatada. Por isso, quero dizer que espero que o governador crie, de fato, essa comissão para que o povo do Pará e do Brasil conheçam a sua verdadeira história", disse Edmilson. "Sinto-me feliz de poder testemunhar esses depoimentos tão emocionantes e que repõem a verdade e mantém vivo esse espírito de resistência forte aqui em Marabá. A Comissão da Verdade é um ganho da nossa democracia e espero que ela possa avançar muito porque se é possível ler manchetes nos jornais que dão conta de que no Uruguai, no Chile e na Argentina os algozes são presos, por que aqui no Brasil sempre que se fala nisso, cria-se todo um aparato para dizer que estamos incentivando o ódio?", questionou o deputado, acrescentando que o que se quer é a verdade. O deputado estadual e prefeito eleito de Marabá, João Salame, também participou da audiência pública da CNV e falou do trabalho que está presidindo de encerramento da CPI do Tráfico Humano, comissão que o deputado Edmilson também tem atuação forte e que também recolhe inúmeros depoimentos de crimes de violação de direitos humanos. "É um prazer enorme travar debates na Alepa, muitas vezes até acalorados, com o Edmilson Rodrigues, que se tornou um amigo naquele parlamento. E tenho certeza que Belém perdeu em não elegê-lo prefeito daquela bela capital e que o tempo haverá de revelar que ele teria sido a melhor escolha", disse Salame. "Independente de se concordar ou não com o fato dos guerrilheiros do Araguaia terem pego em armas para enfrentar o regime militar, não há dúvida de que eles foram os maiores patriotas desse país e vieram para cá porque conviveram com a comunidade local e todos os relatos que temos é que eles tratavam os camponeses com respeito e carinho, o que tem a ver com a visão de mundo que eles tinham. Portanto, não se pode concordar que eles tenham sido torturados e mortos e que esses crimes contra a humanidade tenham ficado impunes", concluiu Salame, que também anunciou, na ocasião, que no dia 5 de abril do ano que vem, na ocasião do aniversário de 100 anos de emancipação de Marabá, fará um decreto de criação da Comissão Marabaense da Verdade.(Texto assessoria do mandato)



CNV ouve relatos de indígenas da etnia Suruí. Essa é a primeira vez que indígenas são ouvidos sobre as torturas durante a Guerrilha do Araguaia,

4º Concurso de Blogs das Escolas

[[

Esta chegando o momento de conhecer os vencedores do 4ª Concurso de Blogs das Escolas Públicas de Marabá e Região, em dezembro será anunciados os melhores blogueiros educacionais da região Sul e Sudeste do Estado. Mas, enquanto os 77 blogs participantes estão sendo avaliados por renomados blogueiros, que tal conferir cada um deles. Visitem, curtam, comente e compartilhe os blogueiros criativos.                                                                                          Categoria Escolas     ...


sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Edmilson em Marabá

Neste sábado, o deputado Edmilson Rodrigues (PSOL) participará em Marabá, sudeste paraense, da audiência pública da Comissão Nacional da Verdade, destinada a investigar violações aos direitos humanos das populações indígenas e camponesas durante a ditadura militar. Edmilson é autor do projeto de lei que cria a Comissão Estadual da Verdade, ainda em tramitação na Alepa. O convite partiu da Comissão Nacional da Verdade e do Grupo de Trabalho Araguaia (GTA), que tem entre seus integrantes o advogado e ex-vereador Paulo Fonteles Filho.

Toda solidariedade ao Blog Uruará - Valdeci Mecca

Deputado compra briga de Blogueiro em Uruará.

Deputado Parsifal.
"Não sei que providências o Valdeci Mecca, autor do blog, já tomou, pois vejo que ele não “fechou” o seu blog, mas se ele precisar de um advogado coloco-me a disposição" Disse Parsifal.
Em mais de 30 anos de política e 54 de estrada gabo-me de desdizer o bardo e afirmar que já vi mais coisa do que sonha a nossa vã filosofia. Inobstante, ao receber um comentário, acessei o blog “Uruará em foco” e custou-me acreditar no que vi: o promotor de Justiça da Comarca de Uruará, Arlindo Jorge Cabral Júnior, emitiu um ofício determinando que o dito blog fosse “fechado”. Arlindo Júnior, além de, sumariamente, ter usurpado as prerrogativas da magistratura subiu aos píncaros da insensatez: proclamou-se censor da República e decidiu que o dito blog é impróprio para menores de 18 anos.  Abaixo o ofício que, destarte quaisquer outras medidas, é o bastante para que a Corregedoria do Ministério Público Estadual tome as providências cabíveis: Se o promotor viu no blog algo que ferisse a ordem pública deveria demandar a ação judicial competente e esperar da Justiça as medidas requeridas. Alegar que o blog fere dispositivo constitucional porque publica comentários anônimos é um argumento esdrúxulo e inacreditável ter isso partido de um promotor de Justiça: comentários anônimos no momento em que são publicados passam a ser responsabilidade exclusiva do proprietário do blog. Quanto ao argumento “proibido para menores de 18 anos” opino que vi realmente, ao navegar no “Uruará em foco”, algo extremamente obsceno e desconfortável ao meus olhos: o ofício já colado acima, que deveria ser censurado para menores de 150 anos. Não sei que providências o Valdeci Mecca, autor do blog, já tomou, pois vejo que ele não “fechou” o seu blog, mas se ele precisar de um advogado coloco-me a disposição para patrocinar-lhe a causa. Quanto ao promotor Arlindo Junior, também me coloco à disposição para patrocinar-lhe um estágio na Síria, com o ditador Bashar al-Assad. Não entendam mal o estágio na Síria. Não é que o Dr. Arlindo vá aprender alguma coisa com o al-Assad: é o al-Assad que tem muito a aprender com o Dr. Arlindo. Brincadeira… (Vá que ele leia e mande fechar o Parsifal 5.4…) Blog Uruara

----------------------------


NOTA DE REPÚDIO DO REPORTE FELIPE EM APOIOAO BLOG URUARÀ EM FOCO
Acompanho com muita tristeza as últimas notícias que obrigam o colega Valdecir Mecca, proprietário do Blog Uruará em Foco a fechar o seu tão importante meio de comunicação, é triste ver em pleno século XXI a atitude parcial e desnecessária de um promotor que determina o fechamento de um meio de informação.É preocupante que essas medidas estejam sendo tomadas exatamente quando o proprietário faz duras críticas ao irresponsável do gestor da cidade que há 3 meses não paga o sagrado salário dos seus funcionários. É necessário que nesse momento a imprensa da região esteja unida para acompanhar em detalhes essas decisões arcaicas e que se valem da lei defasada e sem respeito à sociedade, remetendo as obrigações como se fossem em épocas do regime militar, sendo que estamos em plena democracia.O site Altamira Hoje, vê como ridícula e equivocada a decisão, e que essa fere de morte o direito dos uruaraenses e moradores da região de ter acesso a informações tão importantes e necessária, já que a cidade vive um momento crítico e de crise.Por: Felype Adms.-----------------------
 
---------------------------
 

RUARÁ – Equilíbrio, um princípio basilar

        O que se pode e deve esperar de um promotor ou procurador de Justiça é o mesmo que se espera de um magistrado e de qualquer eleito – o compromisso com as vozes das ruas, mas sem jamais se deixar levar a reboque pela eventual ira popular, e principalmente o compromisso com as leis, o equilíbrio, o senso de justiça e a proporcionalidade. No caso de autoridades públicas, em particular, convém acentuar que não há vilania na intenção de tirar a limpo seus atos. Nesse caso, trata-se de um direito inalienável do conjunto da sociedade, tanto quanto o é o direito a crítica, a despeito da tentação totalitária na qual frequentemente submergem os poderosos de plantão com vocação a tiranetes de província. Essa prerrogativa, se observada, pouparia situações patéticas, como a protagonizada pelo casal Nádia Khaled Porto e Joaquim Passarinho Pinto de Souza Porto, o Quinzinho, ele ex-deputado estadual pelo PTB e atual secretário de Estado de Obras. O casal demanda judicialmente contra mim, sem contestar, porém, a denúncia que deu causa ao contencioso. O Blog do Barata revelou - sem ser contestado, convém repetir - que Nádia Khaled Porto, que é odontóloga, foi contratada como servidora temporária pela Alepa, a Assembléia Legislativa do Pará, quando esta era presidida pelo ex-deputado Ronaldo Passarinho, tio de Quinzinho, e posteriormente cedida, ao arrepio da lei, para o TCM, o Tribunal de Contas dos Municípios do Pará, quando para este migrou o ilustre parente do casal. Na audiência judicial, presentes ambas as partes, a queixa mais palpável, vociferada pela madame Quinzinho, foi o blog se referir ao marido pelo diminutivo que acompanha o ex-parlamentar desde a infância. E só. Nenhuma palavra foi dita, pelo casal, sobre a cedência, ilegal e imoral, de Nádia Khaled Porto para o TCM.
        Seja qual for o circunstancial excesso de Valdeci Mecca, soa despropositada a determinação do promotor de Justiça de determinar que o blog Uruará em Foco seja tirado do ar. Na verdade, diante das críticas a ele feitas no blog, por supostamente ter ido armado a uma reunião dos servidores municipais, cujos salários estão há três meses atrasados, a determinação sugere não um apreço pelo cumprimento da lei, mas a uma retaliação. Tanto mais porque no blog Cabral Júnior também já foi criticado pela suposta leniência diante da calamitosa administração da qual é acusado o prefeito Eraldo Jorge Sebastião Pimenta, eleito em 2008 pelo PMDB, com 9.005 votos, equivalentes a 47,33% dos votos válidos. Nada mais justo que Cabral Júnior cobrar o direito de resposta, para poder oferecer sua versão sobre seu papel diante do imbróglio político que imobiliza o município e até já provocou o bloqueio de trecho da rodovia Transamazônica, pelos servidores públicos municipais de Uruará, que cobram o pagamento dos salários em atraso. A postura do promotor de Justiça soa inaceitável porque agride a ordem democrática, atropela a legalidade, a pretexto de defendê-la, reeditando a censura tão a gosto dos cúmplices retroativos da ditadura militar.
 

Artigo: Ritmo acelerado de Balcanização

RITMO ACELERADO DE BALCANIZAÇÃO

Prof. Marcos Coimbra

Membro do Conselho Diretor do CEBRES, Titular da Academia Brasileira de Defesa e da Academia Nacional de Economia e Autor do livro Brasil Soberano.

Temos alertado, ao longo dos tempos, neste espaço o grave risco de balcanização do Brasil. Assim, recordando, em 20.03.2008, escrevemos: “A Integridade do Patrimônio é um dos nossos Objetivos Nacionais Permanentes. Integridade dos bens públicos, dos recursos naturais e do meio ambiente, preservados da exploração predatória. Integridade do patrimônio histórico-cultural, representado pela língua, costumes e tradições, enfim a preservação da identidade nacional.
Tal conceito torna-se importante para ser repassado por todos nós, brasileiros, devido à insegurança vivenciada, gerada principalmente por pressões externas. Sofremos o risco de serem agravadas as tensões no plano social, com o acirramento e a indução de choques de caráter “racial”, religioso, étnico. As famigeradas ONGs e a mídia internacional, secundada pela mídia nacional, vão procurar jogar católicos contra protestantes e espíritas, brancos contra negros e índios. Seu objetivo é abalar nossa coesão social, para fragilizar-nos.
Quanto à coesão territorial, estão acelerando o processo de demarcação de terras indígenas, para depois preparar o terreno para o "direito dos índios à autodeterminação" e para aplicar o "direito de ingerência dos mais fortes". Isto lhes possibilitaria retalhar o território brasileiro, em especial a Região Amazônica, dividindo-a em quistos, protegidos por uma força internacional de paz. A pretexto de defender os direitos dos índios, vão explorar nossas riquezas e recursos naturais.
Em 13.09.2007, a Declaração Universal dos Direitos dos Indígenas foi aprovada pela ONU, com o voto favorável da representação brasileira, por 143 a 4 e 11 abstenções. A partir daí, a demarcação de terras indígenas assume o estágio de reservas indígenas (Ianomâmi e Raposa /Serra do Sol), representando a última posição para transformação em nações indígenas. Existe ainda, no caso dos Ianomâmis, uma vasta região para eles, na faixa de fronteira contígua entre Venezuela e Brasil. De acordo com a referida declaração, lá é vedada operações com fins militares. Ou seja, abriu-se o caminho para perdermos parte do nosso rico e desejado território.”.
Este assunto volta à tona, após a difusão da notícia de que mulheres produtoras rurais estão em vigília na Praça dos Três Poderes, em frente ao Palácio do Planalto, contra a desocupação dos não índios que vivem na Terra Indígena Xavante-Marãiwatsédé, em Mato Grosso, determinada pela Justiça. Elas bloquearam o trânsito por alguns minutos e de tarde, uma comissão foi recebida pelo ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, quando pediram que o reconhecimento da área como terra indígena seja analisado. As manifestantes alegam que a área não se trata de terra indígena e dizem ter laudos que atestam a afirmação.
Homologada por decreto presidencial em 1998, a Terra Indígena Xavante-Marãiwatsédé é alvo de um imbróglio que teve início da década de 1960. A Fundação Nacional do Índio (Funai) garante que, até essa época, a área era totalmente ocupada pelo povo Xavante. Nesse período, a Agropecuária Suiá-Missú instalou-se na área. Anos depois, a área foi sendo ocupada por novos grupos de não índios, inclusive grandes fazendeiros, o que dificultou a regularização e devolução integral do território aos xavantes.
Em julho deste ano, a Funai entregou à Justiça Federal em Mato Grosso seu plano de retirada de todos os não índios do interior da reserva. No mesmo mês, houve uma reunião entre representantes da Funai, do governo do estado e produtores rurais para discutir formas de amenizar a tensão gerada pela iminente retirada dos não índios da área. O governo estadual propôs que os índios fossem levados para outra área, no interior do Parque Nacional do Araguaia. Os índios, a Funai e o Ministério Público Federal não aceitaram a proposta e agora, no dia 26.10.12, a presidente Dilma mandou forças federais (Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal, Força Nacional de Segurança e Exército) para apoiar a Funai na retirada de “posseiros" da área indígena no Mato Grosso.
Contrariando o governador do Estado, a Assembleia Legislativa, a bancada federal de deputados e senadores mato-grossense, prefeitos, vereadores e milhares de cidadãos, a presidente Rousseff, repete o que Collor, FHC e Lula fizeram, entregando de mãos beijadas e em nome de índios, grande parte do território nacional ao domínio que será estrangeiro. Tal atitude coloca em risco a unidade e a integração territorial da Nação Brasileira, gerando miséria e fome, a exemplo do ocorrido com a saída dos “arrozeiros” na área de Raposa/Serra do Sol, onde indígenas que trabalhavam dignamente, transformaram-se em mendigos em Boa Vista.
Aliás, recente pesquisa Datafolha demonstra que a maioria dos índios brasileiros está integrada às práticas próprias da vida urbana. Uma boa parcela conta com televisão, DVD, geladeira, celular etc. Esse aparato, contudo, convive com a pobreza, razão por que quase a metade recebe cesta básica da Funai ou da Funasa (Fundação Nacional da Saúde). Isso quer dizer que eles nem plantam nem caçam o que comem: vivem da caridade estatal — e em condições precárias. Além disto, 64% dos índios são beneficiários do Programa Bolsa Família,
Fica difícil entender a razão da submissão de nossos últimos governantes a interesses externos, claramente lesivos aos interesses nacionais, capazes de provocar a “balcanização” do Brasil.
Correio eletrônico: mcoimbra@antares.com.br

Comissão da Verdade promove audiência

Neste sabado (17), a Comissão Nacional da Verdade realizará, a partir das 15h, uma audiência pública na Câmara Municipal de Marabá para ouvir relatos de trabalhadores, indígenas e camponeses que sofreram repressão e perseguição durante o Governo Militar. O evento será realizado em parceria com o Comitê Paraense de Verdade, Memória e Justiça, que investiga casos de violações cometidas no estado do Pará.

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Leituras para Seleção do Mestrado da UFPA - Campus de Marabá

REFERÊNCIAS


(**) CERTEAU, M. Parte III: Políticas Culturais. In: _____.
A Cultura no Plural. Trad. Enid Abreu Dobranszky. Campinas (SP): Papirus, 1995, p. 163-253.

(*) COSTA, J. M. M da. Tecnologia e articulações dos modelos de crescimento nacional e amazônico. In: HÉBETTE, J.
Ciência e Tecnologia para a Amazônia. Belém: UFPa- NAEA; ANPEC; PNPE, 1983. p. 175-188.

(*) FOUCAULT, M.
A ordem do discurso. São Paulo: Edições Loyola, 1971.

(*) HALL, A. L.
Amazônia: desenvolvimento para quem? Desmatamento e conflito social no Programa Grande Carajás. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1991.

(*) HÉBETTE, J.
Cruzando a Fronteira: 30 anos de estudo do campesinato na Amazônia. Belém. EDUFPA, 2004. Vol III.

(**) ______. Ciência e Tecnologia para a Amazônia? In: ______.
Ciência e Tecnologia para a Amazônia. Belém: UFPa- NAEA; ANPEC; PNPE, 1983. p 169-174.

(*) ORLANDI, E.
Análise de discurso. Princípios e Procedimentos. Campinas, S.P: Pontes, 1999.

(**) SANTAMARÍA, E. Lugares comuns e estranhamento social: a problematização sociológica das mobilidades migratórias. In: LARROSA, Jorge e SKLIAR, Carlos (orgs.).
Habitantes de Babel: políticas e poéticas da diferença. Belo Horizonte: Autêntica, 2001, p. 91-104.

(**) SANTOS, M. e SILVEIRA, M. L.
O Brasil: território e sociedade no início do século XXI. Rio de Janeiro: Record, 2001. p. 289-307.

(*) Disponível para consulta na Biblioteca do Campus I da UFPA/Marabá.

(**) Disponível em Xerox no Campus II da UFPA/Marabá.

EDITAL DO MESTRADO DA SEGUNDA TURMA DO CAMPUS DE MARABÁ

A UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ - UFPA divulgou hoje o Edital da segunda Turma do Mestrado de Marabá pelo PDTSA. Programa de Pós-Graduação em Dinâmicas Territoriais e Sociedade na Amazônia ,  O período de inscrição será de 14 de novembro a 14 de dezembro de 2012. Maiores informações podem ser lidas no próprio edital.Acesse: http://www.ufpa.br/campusmaraba


Concurso do IFPA é cancelado


IFPA cancela concurso público para docentes

O Diário Oficial da União publica nesta quarta, 14 de novembro,
decisão do Conselho Superior do IFPA que cancela o concurso público
para professores da instituição. Também foi dissolvida a comissão
responsável pelo certame. O edital do concurso previa a contratação de
216 novos docentes para os diversos campi do instituto e foi lançado
no mês de maio.

Em audiência pública para debater a crise do IFPA, realizada na
Assembleia Legislativa, no início do mês de outubro, o reitor
pró-tempore Elio Cordeiro já indicava que o concurso para docentes
poderia ser cancelado em decorrência de terem sido ofertadas vagas em
número superior ao disponível no quadro de pessoal da instituição

De acordo com a portaria nº 1044, de 13/11/12, assinada pelo reitor
pró-tempore, todas as inscrições dos candidatos estão anuladas, não
havendo direito de recurso contra a decisão de cancelamento do
concurso.

Os candidatos poderão requerer o valor da taxa de inscrição a partir
do dia 26/11/12 no próprio site do IFPA e no prazo de 120 dias. A
instituição também colocou à disposição dos candidatos o telefone (91)
3342-0648 e o email docenteifpa2012@ifpa.edu.br para esclarecimentos
de dúvidas quanto à devolução da taxa de inscrição.

Leia a íntegra da portaria no link abaixo

sinasefepa.org/v01/files/ifpacancelaconcursopublico.pdf