quarta-feira, 29 de julho de 2009

Poluição Visual na Praça Duque de Caxias

A praça Duque de Caxias vai ter seu cenário modificado nos próximos dias. Assim como em frente ao MP (casa de vidro) nas margens da rodovia Transamazônica; no inicio do canteiro central da Av. Antonio Maia; no trevo da vp 3 - próximo ao Posto Verdes Mares.

No caso da praça Duque de Caxias, a enorme placa está sendo fixada no canteiro central do início da Av. Getulio Vargas. Uma grande estrutura que servirá de out-dor luminoso para divulgar nome de uma empresa qualquer (muito provável que seja a Leolar).

Nos ultimos dois anos tem se intensificado na cidade a fixação de grandes out-dor luminosos e giratórios, que além de servir para emporcalhar a cidade, polui de forma substanciamente o ambiente da cidade.

Coopasul e feirantes reúnem com prefeito

Na tarde deste domingo (26), o prefeito MAUrino Magaçhães (PR) esteve participando de uma reunião na sede da Coopasul no km 3 do complexo São Felix, com "vanzeiros" e "micro-onibeiros" da Coopasul e feirantes do Terminal Rodoviário do Km 06 (pra não dizer quem matou canoeiro). Na reunião os integrantes da Coopasul cobraram do prefeito apoio para a categoria que se ver ameaçada com a entrada de linhas de outros estados. Já os feirantes querem uma reforma do terminal do km 06 e mais segurança.

A sociedade pode ser vista como uma grade estendida nas várias direções, compondo uma teia multidimensional de relações recíprocas, de diferenças e antagonismos, distâncias e aproximações, concorrência e complementaridade. Foi assim, que a reunião se deu onde os discursos inflamados aproximava da "classe política" como um chamativo para as suas demandas.

Azulando na Zona Rural

O Pinóquio Azul de Marabá promete contruir 3 escolas na zona rural do muncipio fruto de uma conquista junto ao FNDE. Uma delas já foi decidida será construída no Vila do Garimpo das Pedras , na região do Contestado ( Entre Parauapebas e Marabá).

Todas azuladas!

MST ocupa fazenda de juiz escravocrata no Maranhão

Neste domingo (26/7), cerca de 80 famílias Sem Terra ocuparam a fazenda Pôr do Sol, pertencente ao juiz de direito Marcelo Testa Baldochi.
A propriedade de Baldochi, que é membro do Judiciário maranhense pela Cidade de Pastos Bon, integra desde o início do ano a “lista suja” dos empregadores que utilizam mão-de-obra escrava.
A fazenda Pôr do Sol, localizada no município de Bom Jardim, recebeu a visita do grupo móvel do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) em setembro de 2007 e encontrou 25 pessoas - um deles adolescente, com apenas 15 anos, que nunca freqüentara a escola - em condições análogas à escravidão. À época do flagrante, o juiz atuava como titular da 2ª Vara Criminal de Imperatriz, também no Maranhão.
O flagrante de trabalho escravo na fazenda de Marcelo Baldochi gerou uma sindicância no Tribunal de Justiça (TJ-MA) e uma denúncia ajuizada em março deste ano pelo Ministério Público do Estado (MP), que acusa o juiz de submeter o ser humano a condições degradantes. Além de escravocata Baldochi, ainda é defensor de outros empregadores de mão-de-obra escrava o que acaba lhe parecendo isto ser uma virtude.
Os trabalhadores que ocupam a área são de Alto Alegre Pindaré, uma das mais pobres cidades do Estado e que possui um dos maiores índices de aliciamento de mão-de-obra escrava. A área ocupada pelo MST é grilada e possui mais de mil hectares.
FONTE-MST

sábado, 25 de julho de 2009

Em São Paulo MP investiga contratos de Merenda Escolar

A febre de terceirização da Merenda Escolar iniciada pelo Estado de São Paulo chega ao Pará, e com ela o agravante: empresas sob suspeitas de fraude


Muitas investigações estão sendo feitas pelo Ministério Público, são vários contratos que estão sob a mira da justiça. Por exemplo, a EB Alimentação Escolar que presta serviço para vários municípios do estado de São Pualo, entre eles Taubaté (veja aqui) e Campinas (acesse) está sob suspeita. Por acaso a EB Alimnetação Escolar Ltda é a mesma que acaba de ganhar a licitação em Marabá, no valor de 74 milhoes durante os quatro anos (apenas três e meio) do Governo Azulino (PR).
Acesse mais informações sobre as irregularidades cometidas pelas empresas que prestam serviços de Alimentação Escolar.

Links:http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2009/06/25/mp+apura+contratos+de+merenda+em+3+gestoes+em+sp+6944900.html

http://www.politicabr.com.br/index.asp?ref=noticias_ver&id=660

Trabalho Escravo 1: Nova Lista mantém e exclui escravagistas

Com a atualização da "lista suja", que vem sendo divulgada desde o final 2003, 35 nomes (veja lista) também foram retirados. Todos saíram após o cumprimento de dois anos no cadastro, combinado com o pagamento de todas as pendências relativas às autuações e a não reincidência na exploração do trabalho escravo contemporâneo.
Quem é incluído na 'lista suja' fica impedido de obter novos contratos com os Fundos Constitucionais de Financiamento, segundo a Portaria nº 1150, de 18 de novembro de 2003, do Ministério da Integração Nacional (MIN). No Pará, fica, portanto, vedado o acesso ao crédito no Banco da Amazônia (Basa) e no Banco do Brasil. Neste último, o infrator é barrado na obtenção de qualquer modalidade de empréstimo. O Ministério da Fazenda e o Conselho Monetário Nacional (CMN) já estão viabilizando um corte geral de todas as formas de crédito para os exploradores dd mão-de-obra escrava, incluindo bancos privados. A 'lista suja' impõe ainda restrições comerciais das empresas signatárias do Pacto Nacional pela Erradicação do Trabalho Escravo.

Veja onde trabalhadores viviam na escravidão:

Proprietário Fazenda Município Total de escravos
Abdon Lustosa Neto Fazenda Sossego Novo Repartimento 26
Adelino Gomes de Freitas Fazenda Campelobo Santana do Araguaia Pará 56
Alexandre Luciano dos Santos Prata Fazenda Rancho da Prata Dom Eliseu 13
Alsoni José Malinski Fazenda Cajazeira São Felix do Xingu 41
Alvany Dias Santana Fazenda 5 Estrelas Marabá Pará 13
Antônio Nascimento de Souza Fazenda Santo Hilário Goianésia do Pará 16
ATS Serviços Ltda Fazenda Pau Pelado Itupiranga 16
Aurélio Anastácio de Oliveira Fazenda Iraque Eldorado dos Carajás 20
Benedito Neto de Faria Fazenda Santa Teresa São Félix do Xingu 8
Carlos Gilberto Oliveira Barreto Fazenda Olivence Eldorado, Parauapebas e Curionópolis 12
Dalva Navarro Fazenda São Miguel Paragominas 1
Eli Júnior Pereira Fazenda Capivara São Felix do Xingu 44
Eliane Janete Balestreri Oliveira Fazenda Vitória Paragominas 10
Enivaldo Canêdo Fazenda Santa Terezinha São Félix do Xingu 20
Fábio Oliveira Ribeiro Fazenda Tabernáculo Rondon do Pará 24
Francisco Medeiros Sobrinho Fazenda Indiaçu Palestina do Pará 5
Geraldo José Ribeiro Fazenda Boa Esperança São Félix do Xingu 4
Haroldo Vieira Passarinho Agropecuária Maciel II Tucumã 152
XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX
Humberto Eustáquio de Queiroz Fazenda Rio Grande Itupiranga 20
Isaac Aguiar Fazenda Colônia Ulianópolis Ulianópolis 64
João Antônio de Farias Fazenda Minas Gerais Ulianópolis 49
José Carlos dos Santos Fazenda Bela Vista Altamira 19
José Ribamar de Oliveira Fazenda Consolação Brejo Grande do Araguaia 58
José Silva Barros Fazenda Vale do Rio Fresco Cumaru do Norte 261
Luiz Caetano da Silva Fazenda São José Brejo Grande do Araguaia 15
M. José Carvalho ME M. José Carvalho Afuá 19
Marcos Antônio Eleutério Neto Fazenda Garupa Água Azul do Norte 15
Miguel Gomes Filho Fazenda do Miguelito Itupiranga 3
Nei Amâncio da Costa Fazenda Progresso São Félix do Xingu 16
Nivaldo Barbosa de Brito Fazenda Ladeirão Pacajá 15
Pecuária Rio Largo Ltda Fazenda Rio Dourado Cumaru do Norte 54
Raimundo Pereira Nunes Fazenda Dourado Vitória do Xingu 10
René Moreira de Souza Fazenda Trairão Bannach 17
Romar Divino Montes Fazenda Vale do Paraíso II Curionópolis 15
Romildo Contarini Fazenda Santa Luzia Ipixuna do Pará 7
Valdemar Rodrigues Fazenda Santa Rita São Domingos do Araguaia Pará 16
Valfredo Macedo da Silva Fazenda Santa Clara Novo Repartimento 41
Versátil Construção e Serviços Ltda Versátil Construção e Serviços Ltda. Paragominas 21
Vicente Nicolodi Fazenda Uruará Uruará 29
Waldir Ramos Fonseca (Antiga Plantel) São Félix do Xingu 11
Weslei Lafaiette Ferreira Guimarães Carvoaria do Weslei Goianésia do Pará 7
Wilson Ferreira da Rocha Fazenda California Goianésia 26

Trabalho Escravo 2: Bida fora da lista

A nova 'lista suja do trabalho escravo' deixou de fora o fazendeiro Vitalmiro Bastos de Moura, o 'Bida', que responde na Justiça pela morte da missionária norte-americana Dorothy Stang, assassinada em Anapu, oste do Pará, em 2005. No entanto, no Pará, são 43 nomes de fazendeiros flagrados escravizando trabalhadores, a maioria em propriedades do sul e sudeste do Estado.

As regras do MTE determinam a inclusão do nome do infrator depois do final do processo administrativo instaurado pelos autos da fiscalização. Já a exclusão, como ocorreu com Vitalmiro, depende de monitoramento do infrator pelo período de dois anos. Se no período não houver reincidência e forem pagas todas as multas resultantes da ação de fiscalização e quitados os débitos trabalhistas e previdenciários, o nome é retirado.

Trabalho Escravo 3: Vereador Miguelito continua na Lista Suja

O vereador e fazendeiro Miguel Gomes Filho continua na LISTA SUJA do Ministério do Trabalho e Emprego.

Promovida pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), a atualização semestral confirmou o nome do vereador Miguelito (PP) aliado do governo MAUrino Magalhães (PR). Todas as pessoas físicas e jurídicas responsabilizadas em operações de fiscalização de trabalho escravo. Os nomes vão para a "lista suja" após conclusão de processo administrativo gerado a partir da situação encontrada pelos auditores fiscais do trabalho. Quem aparece na relação tem as portas fechadas para crédito público federal e ainda passa a sofrer restrições comerciais das centenas de empresas signatárias do Pacto Nacional pela Erradicação do Trabalho Escravo. O caso mais eminente é do vereador e proprietário de terras no muniípio de Itupiranga, Miguel Gomes Filho.

Miguelito na Lista Suja do MTE

Tem gente contando o dia e as horas para o fim do recesso parlamentar em Marabá. Querem saber como o Legislativo vai se comportar com o fato de Miguel Gomes Filho, o Miguelito, estar na chamada “lista suja” do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). A lista é um cadastro de envolvidos em casos de trabalho escravo e Miguel está entre os elencados. (http://www.laercioribeiro700.blogspot.com/)


Nota do Poster:

Todas as informações das postagens sobre o Trabalho Escravo, foram amplamente divulgadas esta semana por vários meios de comunicação, entretanto, o nosso espaço como é de costume divulga todas as fontes de informaçoes logo abaixo:

www.reporterbrasil.org.br
http://www.amazonia.org.br/noticias/noticia.cfm?id=320447
O Liberal Link: http://www.oliberal.com.br/index.htm
www.laercioribeiro700.blogspot.com
Jornal Opinião Ed. 25/07/2009

sexta-feira, 24 de julho de 2009

MERENDA ESCOLAR PRIVATIZADA EM MARABÁ

Uma empresa de São Paulo venceu a licitação para fornecimento da Alimentação Escolar em Marabá, trata-se da EB Alimentação Escolar Ltda. O contrato seguirá até o fim do governo azulino, oficialmente está estabelicido em 74 milhões de reais.

Ao longo deste período estar previsto a distribuição de cerca de 32 milhoe de refeições para os 56 mil alunos da rede municipal de ensino.


Opiniões Divergentes


Servidores da rede de ensino estão insatifestos com essa nova modalidade de produção e distribuição da merenda escolar, são vários os motivos que levam a opinarem contra o processo de "terceirização". Um deles é quanto, a construção do novo espaço para depósito da merenda que não vai ser utilizado pelo municpio, porém , estar esendo contruído com recursos especificos para este fim, num local bastante privilegiado e com grand estrutura. O galpão foi todo projetado para armazenar a merenda dentro dos padrões exigido pelo FNDE. No entanto, deverá ter outro fim, já que o governo azulino acaba de "privatizar" este serviço.

Outro questionamento feito agora a pouco pela manhã por técnicos da semed, estar relacionado a questão da qualidade, acompanhamento e fiscalização dos serviços feitos pela empresa de São Paulo, justamente o lugar onde mais teve problemas de tercirização. foram inúmeras denúncias de corrupção, serviços de má qualidade e tantos outras ingrisias provocadas pela tal terceirização.


O que a Vale faz?

A Vale resolveu implantar radares ao longo da subida serra, no entanto, vm utilizando o método do bandido, ficando na espreita no sentido de pegar algum condutor com a velocidade acima do permitido e se for funcionário da Vale ou de suas contratadas certamente serão demitidos.

Poderiam utilizar o radar de acordo com o Código de Transito, com a colocação de placas de advertência e campanha de conscientização. Sem contar que, a Vale não tem competência para fazer tal coisa! Sendo a fiscalização de transito de responsabilidade do DMTT e DETRAN.


Veja a postagem no A Vale e os radares

Mudança!

Estamos passando por algumas mudanças, assim o Contraponto & Reflexão desazuliza para não entrar na febre azulina do governo local.

quinta-feira, 23 de julho de 2009

Marabá lidera mortes de jovens

Marabá é a 18º no ranking nacional em violência contra juventude. E os governantes aliados a Vale continuam criando expectativas mirabolantes.

A chegada dos grandes projetos na região de Carajás. Marabá, cidade-polo de uma das mais importantes províncias minerais do planeta, seria finalmente transformada em terra das oportunidades. Este sonho dourado se desfez na mesma medida em que a riqueza - extraída das entranhas da terra ou multiplicada através da predação indiscriminada dos recursos socioambientais - foi se concentrando nas mãos e nos bolsos das velhas e das novas oligarquias.

Para o povo pobre e para a juventude sem futuro restou a morte, execuções sem qualquer investigações que elucidem os casos. Diante de tudo isso Marabá ostenta o vergonhoso título de cidade com o pior Índice de Homícidios na Adolescência (IHA) de todo Norte, com 5,2 jovens entre 12 e 19 anos assassinados para cada grupo de mil.

Esse número escandaloso corresponde ao 18º lugar no ranking nacional, mais que duas vezes e meia a média nacional (2,03).Não haverá, porém, quem aceite vestir a carapuça da responsabilidade institucional por essa barbárie. A Vale e os agronegocistas, por exemplo, guardarão silêncio obsequioso, como se isso não lhes dissesse respeito. Mas diz sim e muito. E não haverá nada que se aproxime de uma mudança verdadeira sem que se identifique, com todas as letras, os que lucram com a perpetuação desse nefasto destino há tantos séculos imposto aos povos da Amazônia.

O Jovem está sem perspectiva. Não há, por parte do Estado, uma preocupação com as suas necessidades. Faltam escolas e o sistema de ensino é muito precário. Deveria haver uma educação integral e profissionalizante. Para que, quando ele saísse do colégio, conseguisse ser mão-de-obra qualificada. Sem opção de trabalho, de diversão, esse jovem freqüenta lugares de alto risco e aí está o contato com as drogas, que o leva ao crime.

Enquanto isso tudo azul!!!

Fonte: Página Critica, O liberal e Contraponto & Reflexão

Educação do Campo

A primeira turma de educandos do campo do Instituto Federal de Educação,Ciência e Tecnologia do Pará - Campus Rural de Marabá, iniciou suas atividades essa semana. O Primeiro eixo: História de vida e Construção dos Saberes, conta com a participação deste poster com a disciplina de Introdução a Sociologia.
O Curso se propôe a forma professores para a docencia multidisciplinar em escolas do campo, em duas áres do conhecimento: Ciencias Humanas e Ciências da Natureza e Matemática, levando em consideração a realidade local, social e cultural do campo.
São sessenta (60) alunos da área de abrangencia do Territóio de Carajás: Marabá, Eldorado do Carajás, Parauapebas, São Domingos do Araguaia, São Geraldo do Araguaia, Brejo Grande do Araguaia, São João do Araguaia, Bom Jesus do Tocantins e Palestina.

Quantos são?

Nos bastidores se comentam que o número de assessores especiais do governo azulando Marabá Magalhães (PR), já ultrapassa sem medida o necessário. Com a palavra o MP, já que a casa de noca marabaense não cumpri seu papel de fiscalização do poder executivo.

quarta-feira, 22 de julho de 2009

Ponto de Cultura em Xinguara

A SECULT aprovou o projeto elaborado pela COOPERLIMPA em parceria com o Instituto Araguaia de Educação e Cultura Popular.


O município de Xinguara foi contemplado com um Ponto de Cultura, fruto do trabalho dedicado do Instituto Araguaia junto com a Cooperativa de Reciclagem. O Ponto de Cultura de Xinguara deve entrar em funcionamento a partir de setembro. Várias atividades estão previstas no projeto, entre elas atividade de formação e geração de renda voltada a familia de trabalhadores na limpeza pública e catadores de residuos sólidos.

O Projeto também prevê algumas parcerias com a prefeitura e orgão da sociedade civil organizada.

Pauta Cidadã

O filósofo Darci José Lermen, que também é Prefeito de Parauapebas,acaba de entrar na blogosfera (www.pautacidada.blogspot.com). Já desejei as boas vindas, mas também fiz a proposição para que encabeçe a luta pelo fim da Lei Kandir.

E vamos ao bom combate!

Justiça determina o sequestro de 27 fazendas "de" Daniel Dantas



A Justiça Federal determinou o sequestro de pelo menos 27 fazendas do grupo Opportunity(leia-se Daniel Dantas, Santa Barabára) listadas pela Polícia Federal com base em investigações realizadas em todo o Brasil.

A medida também vale para todo o gado no pasto.



Equipes da Policia Federal viajaram o Brasil para rastrear fazendas do Grupo Opportunity. No relatório final, a polícia concluiu: a organização criminosa lava dinheiro de suas atividades ilícitas na compra e venda de fazendas, gado e outros negócios agropecuários.

Daniel Dantas e a irmã Veronica têm participação ativa nas fazendas, segundo a PF.

A investigação sobre crimes financeiros descobriu listas de propriedes rurais, mapas de controles de gado e muitos gastos no campo .

A investigação aponta pelo menos 27 fazendas de gado: a maioria delas no Pará, duas em Mato Grosso, uma em Minas Gerais e outra no interior de São Paulo.

O responsável pela gestão, segundo a Polícia Federal, é Carlos Bernardo Rodenburg, ex-marido de Verônica e ex-diretor do Opportunity.

O JN não conseguiu falar com o advogado de Daniel Dantas e da irmã dele, Verônica. Por meio da assessoria de imprensa, o Opportunity disse que desconhece a decisão da Justiça.

Dora Cavalcanti, advogada de Carlos Rodenburg, se disse "surpresa" com o sequestro das fazendas e afirmou que seu cliente nega as acusações de irregularidades nos negócios.


A Polícia Federal afirma que o Opportunity já investiu mais de R$ 700 milhões em agropecuária, ficando Daniel Dantas responsável por mais de 20% deste valor: R$ 140 milhões.

Em um e-mail, um funcionário do Opportunity pede a Verônica Dantas autorização para investir em uma agropecuária: compra de gado, R$ 8,7 milhões; benfeitorias R$ 1,2 mihão; e mais um R$ 1 milhão na aquisição de terras. Total dos gastos: quase R$ 11 milhões.

De acordo com um documento apreendido pela PF, o grupo Opportunity tinha, no ano passado, rebanho com mais de 450 mil cabeças de gado.

Pelo relatório policial, parte das despesas foi paga sem emissão de nota fiscal. E a compra de bens registrada em nomes de terceiros. (Fonte: Jornal Nacional)

Agronegócio: Atividade indutora de tragédia

Agropecuária- uma cadeia de ilícitos?

A atividade é indutora de tragédias sociais e ambientais: grilagem de terra, trabalho escravo, assassinato de militantes e camponeses e destruição da floresta. Neste mês de julho os pecuaristas festejam seus gados numa festa no município de Marabá. A cidade é pólo da região. Mais que festejar gados a exposição agropecuária é palco de alinhavos políticos.

Os mesmos fazendeiros que tanto pediram a cabeça da governadora Ana Julia Latifúndio Barbalho no inicio do ano, capitaneados pela senadora Kátia Abreu (DEM/TO), ora celebram a mediação da mesma junto ao Ministério Público Federal (MPF) contra o embargo da produção ilegal de gado. Comitivas de parlamentares descobriram o caminho do MPF. O episódio aconchegou opositores figadais. Essas coisas da política....

Os fazendeiros chegaram a pedir várias vezes intervenção Federal no estado, contrariados pelas ocupações de fazendas em nome da pessoa jurídica de Dantas no Pará, a Agropecuária Santa Bárbara. Com mais de quatro anos com “investimentos” no estado, não se sabe quantas fazendas a Santa Bárbara controla.

A mesma energia empregada pelo Estado e representantes dos legislativos estadual e federal na defesa dos pecuaristas não se registrou com as execuções dos camponeses Raimundo Nonato do Carmo, morto no dia 16 de abril no município de Tucuruí, véspera do Massacre de Eldorado e Luis Lopes Barros, assassinado no município de Conceição de Araguaia, corpo encontrado no dia 15 de junho. A banalização parece nublar os assassinatos de camponeses e a libertação de trabalhadores em condições de escravidão. Registre-se que a região é top no ranking. (Texto: Rogério Almeida)

quarta-feira, 15 de julho de 2009

Nas terras do dilúvio azul!

O prefeito Azulando Marabá Magalhães (PR), convocou a Casa de Noca (como dizia Juvêncio Arruda) para apreciar vários projetos. Entre eles o da criação de mais uma secretaria. Trata-se da Secretaria Extraordinária de Representação de Governo, que terá sede fisíca em Brasilia - capital federal (agora imagine, só!!!).

Os outros projetos são de criação de novos cargos; regulamentação da Procuradoria Geral do Município ( inclusive com aumento abusivo dos salários e outras vantagens); nova divisão administrativa - criação de representaçãos nos distritos do perímetro urbano e rural - (mais cargos e empregos para seus afilhados e consequentemente para sua bancada governista).

Enquanto isso tudo azul!!!!

CONVITE


terça-feira, 14 de julho de 2009

Xinguara e região: O latifundio está em festa!!!

Acordo feito entre governo do estado, MPF e pecuaristas muda cenário na região. Mais o desmatamento, os conflitos, o trabalho escravo e tantos outros problemas causados pelo agronegócios continuarão.

Teve até prefeito que vibrou com o acordo, veja a nota que saiu no Jornal Opinião, na coluna Coisas da Politica:


Elogios
O presidente da Amat e prefeito de Xinguara, Davi Passos (PT), rasgou elogios à governadora pela construção do entendimento com o Ministério Público Federal, frigoríficos e produtores de gado. O que levou à assinatura de um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) em favor da carne produzida no Pará.

Resta analisarmos o que seria esse "entendimento", diante das atrocidades cometidas por este setor aqui na regiao sul e sudeste do Pará.
Um outro modelo economico é possivel!!

Azul

A beira rio de Marabá - Marabazinho estar toda azul, azul!!

As cores dos dois governos anteriores que marcavam principalmente as obras de infraestrutura do cais de Marabá, já não existe mais. O prefeito Azulino Magalhães (PR) já coloriu com suas cores : Azul, azul escuro, azul claro. As paradas de onibus também já estão Azul!!

Enquanto os pintores vão pintando de Azul a Marabá que todos nós entendemos ser também o território da diversidade cultural, baseada com a forte presença do fluxo migratório, os bons criticos da atual administração já dfizem que essa foi a forma de conciliar o discurso regioso com sua prática e ainda se aproximar do céu pela cor.

segunda-feira, 13 de julho de 2009

Morre Juvêncio Arruda




Morreu hoje, às 14h15, em Belém, o blogueiro Juvêncio de Arruda Câmara, Quinta Emenda.

Juvêncio, lutou nos ultimos dias contra um cancer e não resistiu; foi vencido pela doença.



O seu blog nos inspirava fazer deste espaço, um espaço de debate e de denúncias. Certa vez Juvêncio foi solidário com este poster, após ser atacado pelos inimigos da liberdade e da democracia.

Sinceramente, vai ficar mais dificil não ter Juvêncio. Pois sempre foi uma leitura obrigatória, pela sua agucidade e sensatez nas postagens e comentários.

O que dizer do prefeito fálsário de Nova deli, da Folha sobrancelhuda, do IVcezal, da Folha Nariguda, e de tantos outros trocadilhos usados para fazer o bom combate.

Viva Juvêncio!!!

sábado, 11 de julho de 2009

Marabá Pôr do Sol



Neste momento estar acontecendo na beira rio- Av. Marechal Deodoro - um grande evento cultural e artístico como parte da programação do "novo veraneio" do Governo MAUindo magalhães (PR).

VALE INFORMAR

A ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO DA EMPRESA "VERDE E AMARELA" ESCONDE OS FATOS


Um grave acidente de trabalho ocorrido na manhã de quarta-feira (8), por volta das 10h30, culminou na morte do técnico em operações de base, José André da Silva, 36 anos, natural de Pombal (PB).
Funcionário da empresa Maxan, prestadora de serviços à Vale, José André manobrava uma empilhadeira que transportava um saco do mineral Nitrato de Amônia. O material pesava aproximadamente 1.640 kg. Segundo informações, em dado momento, a máquina em que a vítima estava, perdeu o equilíbrio e tombou. José ficou preso embaixo da empilhadeira.Três funcionários, um deles, Geraldo André Pereira da Silva, irmão da vítima, providenciaram um caminhão guincho, que fez a remoção da máquina. Perante a situação, uma equipe de Bombeiros Civis, além de uma equipe médica da Vale, foi deslocada até o local do acidente, porém, foi constatado que a vítima já estava morta.
Ainda na tarde de quarta-feira, o gerente geral da empresa Maxan, Manuel Martos Sanchez, esteve na 20ª seccional de Polícia Civil para registrar ocorrência sobre o fato.A reportagem do Carajás O Jornal teve acesso as fotos do acidente, entretanto, preferiu não divulgar a pedido da família.José André residia na rua Princesa Isabel, 415, Liberdade, e deixou órfãos seis filhos. fONTE: Carajás O Jornal

Belo Monte: licitação é adiada

Confirmada o adiamento da licitação da usina hidrelétrica de Belo Monte. O atraso, mais uma vez, acontece por decisão judicial. Uma liminar impetrada pela Justiça Federal do Pará suspendeu o processo de licenciamento ambiental da quase futura Usina Hidrelétrica de Belo Monte, no rio Xingu (PA).
A liminar foi concedida em resposta a um pedido do Ministério Público Federal (MPF) no início de junho.
Para quem ainda não esqueceu, Tuíra estar por lá!!

sexta-feira, 10 de julho de 2009

Ele também não é apócrifo!

Assim como este blog, o Jornal Pessoal de Lúcio Flávio também não é apócrifo. (Só na cabeça dos raivosos)


Por Lúcio Flávio Pinto, no Flanar:

AO CARO LEITOR
Li com estupefação, perplexidade e indignação a sentença que ontem me impôs o juiz Raimundo das Chagas, titular da 4ª vara cível de Belém do Pará. Ao fim da leitura da peça, perguntei-me se o magistrado tem realmente consciência do significado do poder que a sociedade lhe delegou para fazer justiça, arbitrando os conflitos, apurando a verdade e decidindo com base na lei, nas evidências e provas contidas nos autos judiciais, assim como no que é público e notório na vida social. Ou, abusando das prerrogativas que lhe foram conferidas para o exercício da tutela judicial, utiliza esse poder em benefício de uma das partes e em detrimento dos direitos da outra parte.O juiz deliberou sobre uma ação cível de indenização por dano moral que contra mim foi proposta, em 2005, pelos irmãos Romulo Maiorana Júnior e Ronaldo Maiorana, donos da maior corporação de comunicação do norte do país, o Grupo Liberal, afiliado à Rede Globo de Televisão.
O pretexto da ação foi um artigo que escrevi para um livro publicado na Itália e que reproduzi no meu Jornal Pessoal, em setembro daquele ano.O magistrado acolheu integralmente a inicial dos autores. Disse que, no artigo, ofendi a memória do fundador do grupo de comunicação, Romulo Maiorana, já falecido, ao dizer que ele atuou como contrabandista em Belém na década de 50. Condenou-me a pagar aos dois irmãos indenização no valor de 30 mil reais, acrescida de juros e correção monetária, além de me impor o pagamento das custas processuais e dos honorários advocatícios, arbitrados pelo máximo permitido na lei, de 20% sobre o valor da causa.O juiz também me proibiu de utilizar em meu jornal “qualquer expressão agressiva, injuriosa, difamatória e caluniosa contra a memória do extinto pai dos requerentes e contra a pessoa destes”. Também terei que publicar a carta que os irmãos Maiorana me enviarem, no exercício do direito de resposta. Se não cumprir a determinação, pagarei multa de R$ 30 mil e incorrerei em crime de desobediência.As penas aplicadas e as considerações feitas pelo juiz para justificá-las me atribuem delitos que não têm qualquer correspondência com os fatos, como demonstrarei.O juiz alega na sua sentença que escrevi o artigo movido por um “sentimento de revanche” contra os irmãos Maiorana. Isto porque, “meses antes de tamanha inspiração”, me envolvi “em grave desentendimento” com eles.O “grave desentendimento” foi a agressão que sofri, praticada por um dos irmãos, Ronaldo Maiorana. A agressão foi cometida por trás, dentro de um restaurante, onde eu almoçava com amigos, sem a menor possibilidade de defesa da minha parte, atacado de surpresa que fui. Ronaldo Maiorana teve ainda a cobertura de dois policiais militares, atuando como seus seguranças particulares. Agrediu-me e saiu, impune, como planejara. Minha única reação foi comunicar o fato em uma delegacia de polícia, sem a possibilidade de flagrante, porque o agressor se evadiu. Mas a deliberada agressão foi documentada pelas imagens de um celular, exibidas por emissora de televisão de Belém.
O artigo que escrevi me foi encomendado pelo jornalista Maurizio Chierici, para um livro publicado na Itália. Quando o livro saiu, reproduzi o texto no Jornal Pessoal, oito meses depois da agressão.Diz o juiz que o texto possui “afirmações agressivas sobre a honra” de Romulo Maiorana pai, tendo o “intuito malévolo de achincalhar a honra alheia”, sendo uma “notícia injuriosa, difamatória e mentirosa”.A leitura isenta da matéria, que, obviamente, o magistrado não fez, revela que se trata de um pequeno trecho inserido em um texto mais amplo, sobre as origens do império de comunicação formado por Romulo Maiorana. Antes de comprar uma empresa jornalística, desenvolvendo-a a partir de 1966, ele estivera envolvido em contrabando, prática comum no Pará até 1964. Esse fato é de conhecimento público, porque o contrabando fazia parte dos hábitos e costumes de uma região isolada por terra do restante do país. O jornal A Província do Pará, um dos mais antigos do Brasil, fundado em 1876, se referiu várias vezes a esse passado em meio a uma polêmica com o empresário, travada em 1976.Três anos antes, quando se habilitou à concessão de um canal de televisão em Belém, que viria a ser a TV Liberal, integrada à Rede Globo, Romulo Maiorana teve que usar quatro funcionários, assinando com eles um “contrato de gaveta” para que aparecessem como sendo os donos da empresa habilitada e se comprometendo a repassar-lhe de volta as suas ações quando fosse possível.
O estratagema foi montado porque os órgãos de segurança do governo federal mantinham em seus arquivos restrições ao empresário, por sua vinculação ao contrabando, não permitindo que a concessão do canal de televisão lhe fosse destinado. Quando as restrições foram abolidas, a empresa foi registrada em nome de Romulo.Os documentos comprobatórios dessa afirmação já foram juntados em juízo, nos processos onde os fatos foram usados pelos irmãos Maiorana como pretexto para algumas das 14 ações que propuseram contra mim depois da agressão, na evidente tentativa de inverter os pólos da situação: eu, de vítima, transmutado à condição de réu.Todos os fatos que citei no artigo são verdadeiros e foram provados, inclusive com a juntada da ficha do SNI (Serviço Nacional de Informações), que, na época do regime militar, orientava as ações do governo. Logo, não há calúnia alguma, delito que diz respeito a atribuir falsamente a prática de crime a alguém.Quanto ao ânimo do texto, é evidente também que se trata de mero relato jornalístico, uma informação lateral numa reconstituição histórica mais ampla. Não fiz nenhuma denúncia, por não se tratar de fato novo, nem esse era o aspecto central do artigo. Dele fez parte apenas para explicar por que a TV Liberal não esteve desde o início no nome de Romulo Maiorana pai, um fato inusitado e importante, a merecer registro.O juiz justificou os 30 mil reais de indenização, com acréscimos outros, que podem elevar o valor para próximo de R$ 40 mil, dizendo que a “capacidade de pagamento” do meu jornal “é notória, porquanto se trata de periódico de grande aceitação pelo público, principalmente pela classe estudantil, o que lhe garante um bom lucro”.Não há nos autos do processo nada, absolutamente nada para fundamentar as considerações do juiz, nem da parte dos autores da ação.
O magistrado não buscou informações sobre a capacidade econômica do Jornal Pessoal, através do meio que fosse: quebra do meu sigilo bancário, informações da Receita Federal ou outra forma de apuração.O público e notório é exatamente o oposto. Meu jornal nunca aceitou publicidade, que constitui, em média, 80% da fonte de faturamento de uma empresa jornalística. Sua receita é oriunda exclusivamente da sua venda avulsa. A tiragem do jornal sempre foi de 2 mil exemplares e seu preço de capa, há mais de 12 anos, é de 3 reais. Descontando-se as comissões do distribuidor e do vendedor (sobretudo bancas de revista), mais as perdas, cortesias e encalhes, que absorvem 60% do preço de capa, o retorno líquido é de R$ 1,20 por exemplar, ou receita bruta de R$ 2,4 mil por quinzena (que é a periodicidade do jornal). É com essa fortuna que enfrento as despesas operacionais do jornal, como o pagamento da gráfica, do ilustrador/diagramador, expedição, etc. O que sobra para mim, quando sobra, é quantia mais do que modesta.Assim, o valor da indenização imposta pelo juiz equivale a um ano e meio de receita bruta do jornal. Aplicá-la significaria acabar com a publicação, o principal objetivo por trás dessas demandas judiciais a que sou submetido desde 1992.Além de conceder a indenização requerida pelos autores para os supostos danos morais que teriam sofrido por causa da matéria, o juiz me proibiu de voltar a me referir não só ao pai dos irmãos Maiorana, mas a eles próprios, extrapolando dessa forma os parâmetros da própria ação. Aqui, a violação é nada menos do que à constituição do Brasil e ao estado democrático de direito vigente no país, que vedam a censura prévia. A ofensa se torna ainda mais grave e passa a ter amplitude nacional e internacional.Finalmente, o magistrado me impõe acatar o direito de resposta dos irmãos Maiorana, direito que eles jamais exerceram.
É do conhecimento público que o Jornal Pessoal publica – todas e por todo – as cartas que lhe são enviadas, mesmo quando ofensivas. Em outras ações, ofereci aos irmãos a publicação de qualquer carta que decidissem escrever sobre as causas, na íntegra. Desde que outra irmã iniciou essa perseguição judicial, em 1992, jamais esse oferecimento foi aceito pelos Maiorana. Por um motivo simples: eles sabem que não têm razão no que dizem, que a verdade está do meu lado. Não querem o debate público. Seu método consiste em circunscrever-me a autos judiciais e aplicar-me punição em circuito fechado.
Ao contrário do que diz o juiz Raimundo das Chagas, contrariando algo que é de pleno domínio público, o Jornal Pessoal não tem “bom lucro”. Infelizmente, se mantém com grandes dificuldades, por seus princípios e pelo que é. Mas dispõe de um grande capital, que o mantém vivo e prestigiado há quase 22 anos: é a sua credibilidade. Mesmo os que discordam do jornal ou o antagonizam, reconhecem que o JP só diz o que pode provar. Por assim se comportar desde o início, incomoda os poderosos e os que gostariam de manipular a opinião pública, conforme seus interesses pessoais e comerciais, provocando sua ira e sua represália. A nova condenação é mais uma dessas vinganças. Mas com o apoio da sociedade, o Jornal Pessoal sobreviverá a mais esta provação
.Belém, 7 de julho de 2009
Lúcio Flávio Pinto

Não Vale Ouro!

O gangster da maior mineradora do Brasil discursa demonstrando preocupação.

Durante a cerimônia de lançam,ento do programa o "Brsil vale Ouro" Roger Aguinelli presidente da Vale, afirmou em seu discurso que "não estar fácil investir no Brasil", para ele a grande deficiência é o maior insumo que a Vale necessita: ENERGIA. Diante disso já analisa entrar no consórcio do Complexo Belo Monte.
Mais ele foi mais longe ao ameaçar fazer investimentos pesados fora do Brasil, porque os impecilhos legais e ambientais "impedem" novos investimentos no Brasil. Todo investidor tem agido com chantagem com o governo, seja para receber incentivos fiscais ou para receber inumeros privilégios.
Ficou evidente na sua fala que a questão ambiental é um problema para o todo poderoso da Não Vale!

EIA-RIMA ilegal do Belo MOnte

José Nery critica processo de licenciamento ambiental de hidrelétrica de Belo Monte

O senador José Nery avaliou como ilegal e atropelado o processo de licenciamento ambiental das obras da Hidroelétrica de Belo Monte, na região sudoeste do Pará. Em discurso na tribuna do Senado na última quinta-feira, 09, relatou que o Ministério Público Federal acionou a Justiça Federal para suspender o Estudo de Impactos Ambientais (EIA-RIMA) do projeto por considerar que estava incompleto. O juiz federal Antonio Carlos de Almeida Campelo, do município de Altamira, no Pará, acatou parcialmente os argumentos dos procuradores da República e determinou a suspensão do processo.

quinta-feira, 9 de julho de 2009

Isto è, Ana Júlia e Valdir Ganzer!

RODOVIA PA 150 - Governo Ana Júlia (PT) - Secretário de Transporte Valdir Ganzer : SÓ FIASCO!!!!!!!


Foto: Del Martins

IMAGEM: Para suavizar.....

Foto: Sandrelli

Ver as Cores

Foto: Ver-o-Peso - Ribamar



As cores têm uma grande influência psicológica sobre o ser humano. Existem cores que se apresentam como estimulantes, alegres, otimistas, outras serenas e tranquilas, entre outros.
Assim, quando o nós tomamos consciência desta realidade, aprendemos a usar as cores como estímulos para encontrar determinadas respostas e, a cor que durante muito tempo só teve finalidades estéticas, passa a ter também finalidades e funcionalidades práticas.
É possível pois, compreender a simbologia das cores e através delas dar e receber informações. Foi assim, que durante o almoço de hoje no "ver - o- peso", pude observar e tentar compeender os vários significados das cores ali presente.

quarta-feira, 8 de julho de 2009

II Congresso: Vitória garantida!!

Chapa “Novos Tempos para o PSOL” vence eleições no 2º Congresso Estadual em Belém

A ex-deputada estadual Araceli Lemos se mantém na presidência do PSOL no Pará para os próximos dois anos. A chapa 1 “Novos tempos para o PSOL” também representada por nomes como o senador José Nery, a ex-vereadora Marinor Brito e o ex-prefeito de Belém, Edmilson Rodrigues, o sociólogo Ribamar Ribeiro Junior, venceu as eleições durante o 2º Congresso Estadual do partido, que terminou neste domingo, 05, em Belém. O evento foi realizado desde sábado, 04, no auditório da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Pará (UFPA).

Foram credenciados 233 delegados eleitos em plenárias em mais de 50 municípios do Estado. O grupo vencedor conquistou 140 votos. A chapa 2 “PSOL coerente e de massas”, ficou com 32 votos e a chapa 3 “PSOL classista democrático e de combate” com 58. Também foram escolhidos os 40 delegados que vão representar o Pará no 2º Congresso Nacional do PSOL, em São Paulo, marcado para os dias 19, 20 e 21 de agosto. Os novos nomes da Executiva Estadual, da Comissão de Ética, Conselho Fiscal ainda serão indicados. Mandato do Senador Nery

Senado aprova regulamentação a mototáxi

Ta liberado!!!!!!!!!!






O Senado Federal aprovou nesta quarta-feira (8), projeto de lei que regulamenta as profissões de motoboy, mototaxista e motofrete. A nova lei, que ainda deve ser sancionada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), estabelece a idade mínima de 21 anos para o exercício dessas profissões, além da exigência de habilitação por, no mínimo, dois anos na categoria de motos.
Leia mais sobre o caso

Para o senador Expedito Júnior (PR-RO), existem atualmente no Brasil 2,5 milhões de motoboys e mototaxistas que trabalham na informalidade por falta de regulamentação dessas profissões.
A proposta prevê que o motoqueiro só ficará habilitado para exercer as profissões de motoboy, mototaxista e motofrete depois de aprovados em curso do Conselho Nacional de Trânsito (Contran). O Contran ficará encarregado de definir as punições para os profissionais que descumprirem a nova lei. Em Marabá, o DMTU deverá ter mais trabalho para fiscalização.
SENADOR NERY VOTOU PELA REGULAMENTAÇÃO
O senador José Nery (PSOL-PA) disse que a regulamentação da profissão de mototaxista e de motoboy é fruto da luta da categoria, que engloba milhares de trabalhadores. Para ele, o surgimento da profissão é fruto da criatividade do povo brasileiro.

BELÉM: Os seringueiros se reúnem!

Encerra amanhã (09) o II CONGRESSO DAS POPULAÇÕES EXTRATIVISTAS DA AMAZÔNIA, organizado por este Conselho Nacional dos Seringueiros – CNS no Parque dos Igarapés na cidade de Belém do Pará.
Na ocasião da realização do II Congresso, delegações dos nove Estados da Região Amazônica possibilitarão a participação de cerca de 400 lideranças extrativistas representantes de diversos segmentos. Os debates sobre o extrativismo na Amazônia envolverão a análise do desenvolvimento sustentável, papel das populações extrativistas no futuro da região, proposição de medidas que atendam às necessidades e assegurem os direitos destas populações. Neste sentido, estão previstas rodadas de debates para tratar de assuntos de extrema relevância, tais como: os efeitos das mudanças climáticas, questões fundiárias, avanço do desmatamento, extração ilegal de madeira, políticas de assistência técnica e extensão rural, plano de manejo, acesso ao crédito rural, introdução de novas tecnologias no processo de produção, saúde, educação e segurança. FONTE- Conselho Nacional dos Seringueiros (CNS)

Juiz censura jornal independente

Um juiz do Pará acaba de botar sob censura o quinzenário independente Jornal Pessoal, de Lúcio Flávio Pinto, a quem também condenou a indenizar em R$ 30 mil, com juros e correção monetária, por “danos morais”, os empresários Romulo Maiorana Filho e Ronaldo Maiorana, diretores do Grupo Liberal, de Belém. Além disso o magistrado ordenou que o jornalista pague as custas do processo e os honorários dos advogados dos autores, aos quais deverá conceder direito de resposta em face da matéria “Um império ao Norte: o de Romulo Maiorana”.

Segundo a sentença do juiz Raimundo das Chagas Filho, Lúcio Flávio pode muito bem pagar a indenização, por ser dono de um jornal “periódico de grande aceitação pelo público, principalmente pela classe estudantil, o que lhe garante um bom lucro”. O JP, na verdade, vive apenas da venda avulsa, sem assinantes nem anunciantes, praticamente não dá lucro e parou de circular várias vezes, nos últimos 15 anos, por falta de recursos.

A imposição de censura — vedada na Constituição — consiste na proibição de citar negativamente o nome dos Maiorana em matérias futuras, sob pena de multa de mais R$ 30 mil. Já o direito de resposta nunca fora solicitado diretamente ao jornalista, nem este jamais o havia recusado a ninguém.
Lúcio Flávio, que responde a outros três processos movidos pela família Maiorana, vai recorrer da decisão.
Fonte:Blogue do Walter Rodrigues- Colunao

terça-feira, 7 de julho de 2009

Geraldo Virgínio na academia de letras

Academia de Letras do Sul e Sudeste Paraense aceitou na última semana mais 4 membros que irão fazer parte como acadêmicos efetivos da entidade. A reunião aconteceu na Fundação Casa da Cultura de Marabá, sede da entidade, que tem como objetivo cultivar a língua, e a literatura amazônica e nacional. Os novos membros aceitos pela academia são Jorge Washington, Charles Trocate, Terezinha Guimarães e Vânia Ribeiro, que possuem publicações com livros que narram e contam a história do povo desta região. Os novos membros se juntam aos efetivos João Brasil, Noé von Atzingen, Eduardo de Castro, Adalgiza Junes, Reunivan Tocantins, Pedro Cláudio e Ademir Braz. Juntos, irão aprofundar ainda mais as discussões sobre a importância da leitura para todos, pois através da mesma são formados cidadãos mais conscientes de seus direitos e deveres. Também foram selecionados como membros correspondentes pela academia: Abílio Pacheco, Geraldo Virgínio, Joaquim Falcão e Paulo von Atzingen, que irão contribuir para o fortalecimento da academia e da cultura da região.

---------------
GERALDO VIRGÍNIO RIBEIRO, de Campos Sales, Ceará, 04.06.1927, escreveu, entre outros, “EVENTOS DE UMA EXISTÊNCIA”(2000), com prefácio de Tasso Assunção e notas de orelha de Adalberto Franklin. Vinculado ao Tocantins, por ter residido em Tocantinópolis, outrora Boa Vista do Tocantins, antigo norte de Goiás, bem como em Araguatins(São Vicente do Araguaia), onde manteve a “DROGARIA PÉROLA”. Filho de Cícero José Virgínio e Antonia Alves Virgínio. (Tio de Ribamar Ribeiro Junior)

Educação do Campo

Em Belém, encontro de formação foca a concepção de Educação para o campo



Em meio ao processo de criação dos assentamentos, a luta dos movimentos tem se feito também pela instalação no campo de serviços públicos oferecidos pelo Estado que garantam a todos o direito de acesso à escolas, serviço médico, estradas, crédito, etc. Por este motivo nesta região, assim como em todo país, tem sido marcante a ação dos agricultores, como atores políticos, na pressão sobre o poder público que ajudem na garantia do acesso das famílias assentadas a direitos sociais básicos e que permitam a melhoria da qualidade de vida da população do campo, contribuindo assim para busca da superação do abandono histórico a que esta esteve submetida por conta da ausência do Estado como provedor de direitos.

Desta forma, a educação tem sido também uma área de atuação do Estado fortemente influenciada pela pressão dos movimentos de trabalhadores rurais. Em decorrência desta pressão nos assentamentos do sudeste do paraense hoje existem 266 unidades de atendimento escolar, distribuídas entre escolas e unidades anexas a escolas localizadas nos centros urbanos próximo. Estas unidades escolares de assentamento, mantidas quase que em sua totalidade pelo poder púbico municipal, ofertam na maioria das vezes apenas o ensino fundamental, muitas vezes em salas multisseriadas, sem que haja condições materiais e formação adequada dos educadores para trabalhar com tal situação.

Lúcio Flávio Pinto condenado!

Enquato isso até agora nenhuma condenação pra quem usou os equipamentos da FUNTELPA durante os 12 anos da gestão tucana, impedindo que a população paraense assistisse a Tc Cultura em detrimento da simagens da Liberal/Globo


O Tribunal de Justiça do Estado do Pará condenou hoje o jornalista Lúcio Flávio Pinto a pagar aos irmãos Ronaldo e Romulo Maiorana a indenização de 30 mil reais, por danos morais, em uma das quatro ações indenizatórias que os irmãos movem contra o jornalista, depois da publicação de artigos no Jornal Pessoal, em 2005, a respeito da trajetória do pai deles, o empresário Romulo Maiorana. Além da multa, a Justiça acatou o pedido dos irmãos de não terem mais seu nome veiculado no Jornal Pessoal.


Cabe recurso ainda, mas essa decisão pode ser um prenúncio das futuras decisões judiciais, incluindo as outras nove ações penais que os Maiorana movem contra ele.O mais interessante é que na decisão, cujo texto vai em anexo, compreende-se que o Jornal Pessoal dá tanto lucro ao jornalista a ponto de ele poder pagar a indenização.O Lúcio deveria participar do Congresso Internacional da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo, que vai ocorrer em São Paulo nos próximos dias, mas novamente vai ter que cancelar sua participação para resolver esse novo imbróglio.Por favor, passem adiante esta mensagem em nome da verdadeira Justiça na terra das coisas inacreditáveis, onde até água pega fogo. Fonte: Rose Silveira

segunda-feira, 6 de julho de 2009

E continua tudo como estava!


Convite recebido

Recebi através do e-mail: ribamar.sociologo@gmail.com, convite enviado pela secretária do Conselho Gestor do Plano Diretor, a pedido do senhor secretário municipal de Planejamento Glênio Benvindo.


Convite

O Excelentíssimo Senhor Maurino Magalhães de Lima Prefeito Municipal, vem através do Senhor Secretário de Planejamento Glênio Benvindo de Oliveira convidar a Vossa Senhoria a participar da elaboração do Planejamento Plurianual do município de Marabá para o período 2010/2013. Os trabalhos se realizarão na forma de Audiência Pública na data de 07 de julho de 2009.
Local: Colégio Judith Gomes Leitão, Marabá Pioneira
Horário: 08:00 hr
Marabá-PA, 1º de julho de 2009
Glênio Benvindo de Oliveira
PS:Continuarei afirmando que esta "audiência" contraria o direito de uma ampla participação do povo nas decisões importantes desta cidade. O Espaço não comportará muitas pessoas, a não ser os apaniguados deste governo.

BELÈM: Ifpa na Educação do Campo

O Instituto Federal de Educação, Ciencia e Tecnologia do Pará, realiza durante toda esta semana a formação continuada de formadores do Curso de Licenciatura em Educação do Campo.
Em Marabá a turma deve iniciar ainda este mês.

domingo, 5 de julho de 2009

PÁTRIA MADRASTA VIL

Clarice Zeitel Vianna Silva, 26 anos, estudante de direito.




Onde já se viu tanto excesso de falta? Abundância de inexistência... Exagero de escassez... Contraditórios??
Então aí está! O novo nome do nosso país! Não pode haver sinônimo melhor para BRASIL..
Porque o Brasil nada mais é do que o excesso de falta de caráter, a abundância de inexistência de solidariedade, o exagero de escassez de responsabilidade.
O Brasil nada mais é do que uma combinação mal engendrada - e friamente sistematizada - de contradições.
Há quem diga que 'dos filhos deste solo és mãe gentil.', mas eu digo que não é gentil e, muito menos, mãe.
Pela definição que eu conheço de MÃE, o Brasil está mais para madrasta vil.
A minha mãe não 'tapa o sol com a peneira'. Não me daria, por exemplo, um lugar na universidade sem ter-me dado uma bela formação básica.
E mesmo há 200 anos atrás não me aboliria da escravidão se soubesse que me restaria a liberdade apenas para morrer de fome.
Porque a minha mãe não iria querer me enganar, iludir. Ela me daria um verdadeiro Pacote que fosse efetivo na resolução do problema, e que contivesse educação + liberdade + igualdade. Ela sabe que de nada me adianta ter educação pela metade, ou tê-la aprisionada pela falta de oportunidade, pela falta de escolha, acorrentada pela minha voz-nada-ativa. A minha mãe sabe que eu só vou crescer se a minha educação gerar liberdade e esta, por fim, igualdade.. Uma segue a outra... Sem nenhuma contradição!
É disso que o Brasil precisa: mudanças estruturais, revolucionárias, que quebrem esse sistema-esquema social montado; mudanças que não sejam hipócritas, mudanças que transformem!
A mudança que nada muda é só mais uma contradição. Os governantes (às vezes) dão uns peixinhos, mas não ensinam a pescar.
E a educação libertadora entra aí. O povo está tão paralisado pela ignorância que não sabe a que tem direito. Não aprendeu o que é ser cidadão.
Porém, ainda nos falta um fator fundamental para o alcance da igualdade: nossa participação efetiva; as mudanças dentro do corpo burocrático do Estado não modificam a estrutura. As classes média e alta - tão confortavelmente situadas na pirâmide social - terão que fazer mais do que reclamar (o que só serve mesmo para aliviar nossa culpa)... Mas estão elas preparadas para isso?
Eu acredito profundamente que só uma revolução estrutural, feita de dentro pra fora e que não exclua nada nem ninguém de seus efeitos, possa acabar com a pobreza e desigualdade no Brasil.
Afinal, de que serve um governo que não administra? De que serve uma mãe que não afaga? E, finalmente, de que serve um Homem que não se posiciona?
Talvez o sentido de nossa própria existência esteja ligado, justamente, a um posicionamento perante o mundo como um todo.
Sem egoísmo. Cada um por todos...
Algumas perguntas, quando auto-indagadas, se tornam elucidativas. Pergunte-se: quero ser pobre no Brasil? Filho de uma mãe gentil ou de uma madrasta vil? Ser tratado como cidadão ou excluído?
Como gente... Ou como bicho?


Premiada pela UNESCO, Clarice Zeitel, de 26 anos, estudante que termina faculdade de direito da UFRJ em julho, concorreu com outros 50 mil estudantes universitários. Ela acaba de voltar de Paris, onde recebeu um prêmio da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) por uma redação sobre ' Como vencer a pobreza e a desigualdade'.

A redação de Clarice intitulada `Pátria Madrasta Vil´ foi incluída num livro, com outros cem textos selecionados no concurso. A publicação está disponível no site da Biblioteca Virtual da Unesco

Epâ!!!!

Alguns diretores de escola estiveram essa semana com o secretário municipal de educação e pediram providências quanto ao absurdo acontecido durante "festejo Junino" ocorrido no mês de junho na Escola Jonatas Pontes Athias.

È que determinado professor coordenou após a festa, uma espécie de "boate" dentro da escola. Bebidas, adolescentes e tiros, foram o resultado parcial da festinha promovida pelo educador.

Marabá: na rota dos novos empreendimentos

Marabá vai virar um verdadeiro canteiro de obras nos próximos meses, se por um lado vai gerar emprego e renda para milhares famílias, por outro as conseqüências do “desenvolvimento” se ampliaram, se não houver uma plano de ação de políticas públicas para enfrentar crise, a violência, e que de fato se torne uma realidade a formação e capacitação dos trabalhadores, da juventude e dos desempregados.
Veja abaixo a lista dos empreendimentos já anunciados e outros iniciados:



1. Duplicação da Ponte e da Rodovia Transamazônica: Km 06 ao Rio Itacaiúnas;
2. Construção da Fase 3 do DIM: km 14 da Rod BR 230 sentido Itupiranga;
3. Construção da ALPA ( Siderúrgica da Vale): No DIM fase 3;
4. Construção do Porto de Marabá: No complexo do DIM Fase 3;
5. Ampliação do DIM Fase 2: Centro de convivência e outros espaços;
6. Construção do Parque Tecnológico na UFPA: Campus 2 – Fl. 17;
7. Construção do Novo Estádio de Futebol: Rod 230 Sentido Itupiranga;
8. Loteamento e Condomínio Delta Ville: Km 09 Sentido São João do Araguaia;
9. Condomínio e Loteamento da Construfox e Direcional: Km 08 Sentido São João do Araguaia;
10. Magazine Yamada: trevo da Rodoviário – fl 33;
11. Shopping da Leolar: Fl 32 ( inclusive com possibilidade de engolir uma Rua que dar acesso ao BASA;
12. Loteamento da Cidade Jardim da Leolar no Km 10 da Transamazônica Próximo a Policia Rodoviária Federal;
13. Ampliação do Estádio Zinho Oliveira: (Desapropriação dos quintais das casas das ruas Barão do Rio Branco e Lauro Sodré);
14. Construção do Estádio de Futebol de Morada Nova:
15. Construção do Anel Viário que vai ligar o DIM fase 1 e 2 ao DIM Fase 3, incluído duas pontes Rodoferroviária sobre Rio Itacaiúnas;


PS: E o Estádio Olimpico da Fl 16?
-Ninguém ousa nem falar!!!

Afetados pela Mineração

Em Parauapebas movimentos sociais se articulam para afirmar posição

Reunidos neste fim de semana para discutir os impactos sobre o território. Onde várias lideranças organizadas pelo CEPASP debateram alternativas de luta para enfrentar a Vale e a omissão do governo. São inumeras áreas ameaçadas de "desafetação" por parte do governo a pedido da Vale.

Geralmente essas áreas já são consolidadas, ou por assentamentos ou por vilas. No entanto, como é de interesse da VALE para exploração mineral, estes territórios estão se transformado em áreas de instabilidade. São milhares de familias qeu sobrevivem da terra e que garantem seu modo de vida pela agricultura familiar.

sexta-feira, 3 de julho de 2009

Morre Evandro Lopes

Militante do PT, do sindicato dos urbanitários, candidato a vice na chapa de Luiz Carlos em 1996. Faleceu hoje as 17:35m. Evandro Lopes, funcionário aposentado da Celpa, estava em tratamento de saúde tentando recuperar.
Membro da DS votou contra a expulsão deste poster do PT em 2002.

PPA: "governando com o povo"

Toda serra de longe é Azul, assim dizia meu velho pai!
Informações dão conta de que a prefeitura vai realizar na próxima terça feira (07), audiência pública para discutir a proposta de PPA - Plano Plurianual (2010-2013). Essa audiência é uma exigencia da LRF _ Lei de Responsabilidade FIscal e do TCM. Porém. o governo do prefeito MAUindo Magalhães (PR), que tem como marca "governando com o povo" deveria ter realizado as plenárias por segmentos, núcleos e distritos dessa cidade, para que a população pudesse fazer os indicativos das suas demandas e acesso a proposta do governo.
No entanto, somente agora por caus ade uma exigência a prefeitura vai "fazer de conta" que vai ouvir o povo, em pleno mês de julho, sem mobilização e ainda num pequeno auditório da Escola Judith Gomes Leitão.

O secretário Glênio "...vindo" havia se comprometido em reunião do Conselho Gestor, ainda no mês de maio, de que as plenárias ocorreriam a partir de 15 de junho passado. Somente agora veio a informação de que haverá apenas uma "grande" plenária para discutir o PPA.
--------------------------------
O que é o PPA?
Plano Plurianual de Aplicação (PPA) é o instrumento de planejamento de médio prazo que estabelece, programas (diretrizes), ações, objetivos e metas da administração pública municipal, para um período de quatro anos, promovendo a identificação clara dos objetivos e prioridades do município. Esse planejamento terá como principal resultado a produção de bens e serviços visando a promoção do bem-estar social.
O que pretende o PPA?

O PPA busca respostas para questões fundamentais, como: - Quais as políticas mais adequadas para estimular os diversos setores da produção; - Quais as melhores políticas para gerar mais e melhores empregos; - Quais são as ações para reduzir as desigualdades entre os bairros; - Quais são os projetos de infra-estrutura que vão receber mais atenção e recursos; e - Quais são os programas sociais necessários para o desenvolvimento humano da população, a inclusão social e a melhor distribuição da renda entre os marabaenses.
Importância do PPA

Um plano como o PPA apresenta diversas vantagens na gestão de projetos públicos, entre as quais destacam-se: - Melhor transparência quanto à aplicação dos recursos públicos; - Maior controle do orçamento, tanto por parte da Prefeitura como da sociedade; - Melhor integração e compatibilização dos instrumentos básicos de planejamento e orçamento;
Como funciona o PPA ?

- Todas as ações do PPA são estruturadas em Programas; - Cada Programa tem um coordenador; - Os Programas são instituídos de acordo com as linhas estratégicas da municipalidade e a previsão de recursos; - O Plano estimula a descentralização de ações e a busca de parcerias; - Os Programas recebem acompanhamento e avaliação/monitoramento;- O foco do Plano incide nos processos e nos resultados, segundo a dinâmica da questão processo-resultado.

LDO REFEITA

Luiz Fernando, este é o nome do homem que refez a Lei de Diretrizes Orçametária - LDO 2010 de Marabá.

Ao chegar na câmara, os vereadores perceberam que a proposta de LDO estava totalmente "sem pé e sem cabeça", os nobres edis devolveram imediatamente para SEPLAN (leia-se Glênio "Malvindo").

A prefeitura tratou de contratar uma consultoria para refazer o malfeito. E o experientissímo Luiz Fernando (presta assessoria para várias prefeituras no interior do Pará, por saber "como funciona as coisas"), reformulou, remendou, consertou e devolveu a prefeitura para fazer os tramites legais via Câmara Municipal.

Não precisaria disso se o nobre secretário tivese a humildade de discutir com a polulação as diretrizes orçamentárias como foi proposto pelo conselheiro Ribamar Ribeiro Junior (Conselho Gestor do Plano Diretor).

Pistolagem uniformizada e sem armas!

A Polícia Federal acaba de recolher as armas das ''empresas de segurança' Escolta e Delta, contratadas por fazendeiros do sul do Pará, principalmente pelo Grupo Santa Barbára (Daniel Dantas). Ambas estavam sendo usadas irregularmente, sua licença era apenas para o Estado do Tocantins.

Por ironia território de Kátia Abreu (DEM), aquela senadora que veio cantar de galo aqui no Pará.

I Encontro Nacional sobre Ensino de Sociologia

Acontece nos dias 25 a 27 de julho de 2009, IFCS-UFRJ, Rio de Janeiro, RJ.

O I Encontro Nacional sobre o Ensino de Sociologia visa a promover uma discussão ampla de caráter nacional sobre as conseqüências da obrigatoriedade do ensino de sociologia na escola média brasileira, considerando principalmente as questões relativas: ao ensino da disciplina, como conteúdos programáticos, metodologias de ensino, recursos e materiais didáticos; aos cursos de licenciatura e formação de professores; às pesquisas sobre o ensino da disciplina; à constituição de uma comunidade de professores de sociologia no ensino médio.

quinta-feira, 2 de julho de 2009

O PT e Sarney bem entendidos!

http://www.jdointerior.com.br/

Que aliado eim???

Foto: Keilon Feio



O Jornal Diário do Pará (leia-se Jader Barbalho) prinicipal aliado do governo Ana Júlia, detonou com o "governo popular"


Um aliado assim ninguém merece! A máscara tá caindo e Aninha ainda não percebeu que seu principal aliado deverá ser seu principal adversário nas próxiams eleições. O PMDB no Pará sempre foi assim, capitaneado pelo Ex-governador Jader Barbalho, que tem um amplo currículo por ter marcado na história política do estado a sua intereferência no processo de decisão, escolha, indicação e apoio a várias candidaturas vitoriosas e outras nomeadas. Vale lembrar, Coutinho Jorge (prefeito de Belém e depois senador), Almir Gabriel (prefeito de Belém e senador), Hélio Gueiros (governador), Jatene ( secretário do primeiro governo de Jader), Ana Julia (segundo turno).


Mas nesta terça feira (30), a folha sombreçelhuda (como diz Juvêncio) públicou em LETRAS GARRAFAIS a manchete ensinuando a derrota de Ana Júlia (PT). veja trecho abaixo:


Esta terça-feira, dia 30 de junho, foi um dos piores para o Governo do Estado. Um tripla derrota coloca a administração estadual em apuros. Primeiro, a titular da Secretaria de Educação (Seduc), Iracy Galo, e a secretária de Estado de Trabalho e Renda, Ivanise Gasparim são alvos de uma decisão judicial que bloqueou os bens avaliados em R$ 61 milhões de nove envolvidos no caso do um milhão de kits escolares distribuidos a alunos da rede estadual.Em outro golpe, a Justiça mandou, novamente, o Estado demitir os temporários. A medida vale para os contratados a partir de maio de 2005. Por fim, a terceira intervenção do Judiciário no Executivo é a suspensão das obras do Ação Metrópole, especificamente, as obras no Parque Ambiental de Belém, em Val-de-Cans, onde está sendo feita a ampliação da avenida Independência. (Diário Online)

Imagem do dia

Foto: Ribamar

O brilho do sol na estrada

Foto: Ribamar Ribeiro Junior



Tapando buraco do Ganzer!

O governo do estado através da Secretaria de Estado de Transportes (Setran) anunciou que vai começar, agora em julho, a recuperação da rodovia PA-150, no trecho que vai de Tailândia a Redenção, da PA 275, trecho de Eldorado do Carajás a Parauapebas. Os investimentos nas rodovias serão para restauração do asfalto e de pontes ao longo da estrada. Porém, essas obras já iniciaram a um bom tempo.

Basta andar pelas estradas que o transeuente vai se deparar com CRIANÇAS, tapando buraco a troco de R$ 1,oo ( o que eles pedem, mais geralmente recebem apneas umas parcas moedinhas). O Secretário Ganzer espalha out-dor se vangloriando da sua "história de luta" e esquece das estradas.

Audiência debaterá greve no INSS

Na semana que comissão da câmara aprovou a redução da jornada de trabalho, a principal reivindicação dos servidores do INSS chega ao senado


A greve dos funcionários do INSS que já dura mais de quinze dias será debatida em audiência pública nesta quinta-feira (02), às 09h, na Comissão de Assuntos Sociais (CAS) do Senado Federal. A iniciativa de discutir o tema foi do senador José Nery. A principal reivindicação dos servidores é a manutenção da carga horária de 30 horas semanais que, segundo a categoria, foi contrariada de forma arbitrária pela medida provisória 441 do Governo Federal que prevê jornada de 40 horas semanais.

Para Nery, “os servidores estão utilizando as prerrogativas de um direito inscrito na Constituição – o direito de greve dos servidores públicos, para tentar resolver um conflito trabalhista”. Por isso, na visão do parlamentar, a única saída para resolução do impasse, que faria voltar ao normal o atendimento nas agências do INSS, é a negociação entre funcionários e ministério da Previdência Social. “Os trabalhadores brasileiros já sofrem demais para serem atendidos nos postos. Com a greve, o sofrimento é ainda maior para todos”, completa.

O senador acredita que a exigência de 40 horas semanais sobrecarrega servidores administrativos e médicos peritos por considerar que a função é arriscada e os profissionais ainda lidam com a precariedade nas condições de atendimento. “Esses servidores estão expostos à violência dos segurados, que muitas vezes, agridem de forma violenta aqueles que o atendem, quando tem negado o seu pedido de auxílio-doença”, afirma. Nery acrescenta que o ideal seria a implantação de seis horas corridas no expediente. Fonte: Mandato Popular

Frigoríficos serão rastreados pelo BNDES

A medida deve controlar o desmatamento

Como resposta às denúncias de que a pecuária é a principal responsável pelo desmatamento na Amazônia, o Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e os grandes frigoríficos se preparam para anunciar, na semana que vem, um compromisso ambiental que prevê uma série de exigências para a concessão de empréstimos por parte do banco.


A rastreabilidade é tida como a única forma de garantir com segurança que o gado não está avançando em áreas de desmatamento. Entretanto, os desafios para se colocar um "brinco" na orelha do boi são muitos. Quando o chamado Sisbov, sistema de rastreamento bovino do Ministério da Agricultura, foi implantado, em 2002, havia uma expectativa de que os frigoríficos pagariam mais pelo pelo boi rastreado, o que não aconteceu.

quarta-feira, 1 de julho de 2009

DEUS É MAIOR!

O governo do prefeito MAUrino Magalhães (PR) adotou a frase 'Deus é Maior' junto a sua marca de governo.

Acontece que o Estado é Laico, portanto não professa religião. Mesmo que seu "discurso" da "folha que caí", o transforme cada vez mais num sujeito folclórico, o Estado continuará sendo laico. O Estado laico não pode admitir imposições de instituições religiosas, para que tal ou qual lei seja aprovada ou vetada, nem que alguma política pública seja mudada por causa dos valores religiosos. Mas, ao mesmo tempo, o Estado laico não pode desconhecer que os religiosos de todas as crenças têm o direito de influenciar a ordem política, fazendo valer, tanto quanto os não crentes, sua própria versão sobre o que é melhor para toda a sociedade.
Desde a Constituição do Império de 1824, os textos magnos pátrios consagram o princípio da liberdade religiosa, o que se dá amplamente a partir da Carta Republicana de 1891. O Estado Laico, longe de ser um Estado Ateu — que nega a existência de Deus — protege a liberdade de consciência e de crença de seus cidadãos, permitindo a coexistência de vários credos. Aliás, é princípio fundamental do cristianismo e muito precioso aos católicos, que compreendem a parcela maior dos brasileiros, o profundo respeito à liberdade religiosa de cada um.
O Estado laico respeita, então, todas as crenças religiosas, desde que não atentem contra a ordem pública, assim como respeita a não crença religiosa. Ele não apóia nem dificulta a difusão das idéias religiosas nem das idéias contrárias à religião.
É direito e garantia fundamental a livre expressão do pensamento, inclusive para a adequada formação das políticas públicas. Pretender calar os vários segmentos religiosos do país não é apenas antidemocrático e inconstitucional, mas traduz comportamento revestido de profunda intolerância e prejudica gravemente a saudável convivência harmônica do todo social brasileiro. Assim como os que também se manifestam de forma diferente em relação a religião. O Estado nos seus três entes não pode ser ateu e nem deflagrar religioso. Viva o Estado Laico!!!

Fora Sarney!!


MARANHÃO: Vale anuncia novas demissões

Apesar de negar que se trata de uma medida resultante da crise mundial, a mineradora Vale anunciou nesta terça-feira, 30 de junho, que vai cortar, este mês, de duzentos a trezentos funcionários em suas unidades no País, inclusive Pará e Maranhão. A empresa nega que haverá demissão em massa.Depois do acordo firmado com o sindicato da categoria, em 31 de maio, este é o segundo corte de pessoal da empresa, que chegou a anunciar a suspensão de demissões por cinco meses. Desde o início da crise, a Vale cortou 1,6 mil funcionários, sendo 1,3 mil demissões anunciadas em dezembro de 2008, e atribuídas aos efeitos negativos da crise econômica, e 300 aposentados dispensados neste mês --primeiro após o fim do acordo sindical.As demissões deste mês, segundo a Vale, são normais no processos de rotatividade de uma de seu porte. Ela tem hoje 62 mil funcionários em seus quadros, sendo destes 46 mil e 600 estão no Brasil. Nos cinco meses em que se comprometeu a não demitir, alguns funcionários ficaram de licença-remunerada e outros entraram em férias coletivas.Por: Aquiles Emirwww.dzai.com.br

MPF de olho na Santa Barbára

A Agropecuária Santa Bárbara Xinguara (leia-se Daniel Dantas), está sendo processada pelo Ministério Público Federal do Pará (MPF/PA) por desmatamento ilegal de 51 mil hectares da Floresta Amazônica para a criação de gado bovino. A área total das propriedades - que contabilizam um histórico de casos de trabalho escravo e disputas fundiárias - equivale a um terço da área do município de São Paulo (SP). Os procuradores exigem indenização de R$ 686,8 milhões dos pecuaristas e frigoríficos que comercializaram rebanhos criados nas fazendas do grupo.

Ao todo, a Santa Bárbara é alvo de nove ações civis públicas, que envolvem nove fazendas espalhadas em cinco municípios no Sudeste do Pará: Vale Sereno, Santa Ana e Caracol, em Cumaru do Norte (PA); Espírito Santo e Castanhais, em Xinguara (PA); Vale do Paraíso e Rio Tigre, em Santana do Araguaia (PA); Cedro, em Marabá (PA) e Maria Bonita, em Eldorado dos Carajás (PA), local do massacre que subtraiu a vida de 19 sem-terra em abril de 1996. Dessa relação, apenas a Rio Tigre possui licenciamento ambiental. Todas elas estão embargadas."A Santa Bárbara aparece como responsável pela maior parte do desmatamento. Verificar as grandes propriedades foi um dos focos principais do Ministério Público Federal. E, na região onde ela atua, há um desmatamento excessivo", declarou o procurador Daniel César Avelino, um dos responsáveis pelos processos, em entrevista à Repórter Brasil. O MPF/PA pede que os rebanhos sejam confiscados para garantir o pagamento das indenizações. -Fonte: Reporter Brasil


I

Sarney e Renan na mira das investigações


O PSOL apresentou ontem, duas representações junto ao Conselho de Ética do Senado pedindo a investigação por quebra de decoro parlamentar contra o presidente da Casa, José Sarney (PMDB/AP) outra contra o senador Renan Calheiros (PMDB/AL), que já foi presidente do Senado.

Ambas se justificam pelas denúncias de edição dos atos secretos. A ex-senadora e presidente do partido, Heloísa Helena entregou pessoalmente os documentos junto com senador José Nery (PSOL/PA) na Secretaria Geral da Mesa.

Paralelamente, Nery continuará a coleta de assinaturas para a instalação da CPI da Máfia do Senado. Para o senador, só a CPI poderá aprofundar as investigações a respeito dos empréstimos consignados, contratos e licitações e também dos próprios atos secretos, pois pode quebrar sigilos bancários, telefônicos e fiscais. Se for necessário cortar na própria carne, vamos cortar. Só não podemos viver essa sucessão de escândalos a cada dia¿, afirma o senador

Bola da vez

O patrocinador oficial do Aguia de Marabá acaba de "doar" área para construção da futura universidade federal do sul e sudeste do Pará.


Do outro lado da Transamazônica, o prefeito Malino Magalhães (PR) esteve nesta segunda com toda sua tropa de choque fazendo uma visita na área destinada a construção do novo Estádio de Futebol. Vereadores, secretários, dep. Asdrúbal Bentes (PMDB) e outros “puxa”. Em entrevista, o prefeito falou com sua serenidade de sempre destacando a importância do novo estádio frente ao crescimento da cidade e dos desdobramentos do time profissional da região, o Águia de Marabá.

Universidade "ganha" o terreno!!

Uma das principais lutas dos últimos anos do Campus Universitário do Sul e Sudeste do Pará, era luta pra aquisição de uma ampla área que pudesse incorporar os dois campus. Mas com a luta pela implantação da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará, este sonho se ampliou ainda mais.

Esta semana o grupo Leolar deve 'doar' 48 hectares de uma grande área a margem da Transamazônica, sentido São João do Araguaia, para a construção da futura Universidade Federal.

Esta mesma área ja vinha sendo namorada a muito tempo por um grupo de professores que defendem a construção de um campus novo e consolidado com todos os cursos.

O anúncio foi dado pelo secretário de Integração Regional, senhor André Farias, durante abertura do encontro de geografia em Parauapebas. Segundo ele, a área vai ser doada ao governo do Estado, e este repassará posteriormente para universidade.