segunda-feira, 30 de julho de 2007

Projetos para criar 6 Estados podem inchar Legislativo

Criação de novos estados só serve para criar cabide de emprego para politicos e novos cargos



Estão prontos para votação no Congresso projetos que prevêem a criação de mais seis Estados. Se aprovados, eles vão agravar o inchaço do Legislativo, abrindo 144 cadeiras de deputado estadual, 48 vagas de deputado federal e 18 de senador. Esses projetos de decreto legislativo, que prevêem a realização de plebiscito, foram aprovados nas respectivas Comissões de Constituição e Justiça (CCJ) e podem ser inseridos na pauta a qualquer momento.

Os novos Estados em estudo são: Carajás e Tapajós no Pará; Mato Grosso do Norte em Mato Grosso; Rio São Francisco na Bahia; Maranhão do Sul no Maranhão e Gurguéia no Piauí. Em comparação, os Estados Unidos têm 50 Estados, com representação fixa no Congresso de 100 senadores e 435 deputados. Se forem criadas mais unidades da Federação, não haverá aumento do Parlamento, apenas a redistribuição das vagas.

O Brasil tem 26 Estados e 1 Distrito Federal. O Congresso abriga 513 deputados e 81 senadores. Aqui, ao contrário dos EUA, a configuração aumenta se houver novos Estados. Em média, a Assembléia Legislativa de um pequeno Estado, com 24 deputados, consome R$ 110 milhões ao ano.

Na maior parte, os projetos de criação de Estados são antigos e apresentam lacunas. Nenhum deles, por exemplo, inclui um estudo detalhado sobre a viabilidade econômica e os custos da medida. A criação de um Estado pressupõe a existência de um novo Executivo, um novo Judiciário e um novo Legislativo. Todos devem ser dotados de completa estrutura física, como prédios, veículos e equipamentos, e administrativa - governadores, secretários, servidores, juízes, promotores, deputados e assessores. As propostas tampouco apresentam solução para um problema crucial: quem arcará com os custos do plebiscito. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo

sábado, 28 de julho de 2007

Umas & Outras

Ex-tucano de carteirinha juramentado, o neopetista Regisvaldo Carvalho precisa agora optar entre o DAS que ganha como assessor especial do prefeito Sebastião Miranda e a nova função assumida no governo do PT.

Comentário:

Ou reza pra Ana? ou fica com Tião "praça"?
Afinal a militância do PSOL estar preparada para se posicionar na Assembléia do PTP.

MPF pede anulação de seis concessões de rádio e

O Ministério Público Federal no Distrito Federal
propôs, na última segunda-feira (23/7), várias Ações
Civis Públicas para anular a renovação e concessão de
outorga de seis empresas de rádio e TV de deputados e
ex-deputados federais.

Para o MPF, houve favorecimento pessoal nas
concessões, uma vez que os parlamentares, sócios das
empresas, participaram das votações em que foram
analisados e deferidos os pedidos de concessão e
renovação dessas outorgas.


As irregularidades foram denunciadas ao MPF pelo
Instituto para o Desenvolvimento do Jornalismo
(Projor). Segundo a associação, 51 dos 513 deputados
em 2005 eram concessionários diretos de rádios e de
TV. Dentre esses, pelo menos 20 eram membros da
Comissão de Ciência, Tecnologia, Comunicação e
Informática, responsável por analisar os pedidos na
Câmara dos Deputados.

O MPF analisou todas as atas, de janeiro de 2003 a
dezembro de 2005, e constatou que vários parlamentares
utilizaram a função exercida na comissão para
beneficiar, direta ou indiretamente, interesses
pessoais relativos à renovação e concessão de serviços
de radiodifusão. Entre os envolvidos estão os
deputados Carlos Alberto Leréia (PSDB/GO), Nelson
Proença (PPS-RS) e os ex-deputados Corauci Sobrinho
(PFL/SP), João Batista (PP/SP), João Mendes de Jesus
(sem partido) e Wanderval Santos (PL-SP).

Eles eram sócios, cotistas ou diretores de empresas
concessionárias do serviço de radiodifusão à época em
que essas mesmas empresas tiveram os pedidos de
renovação e concessão aprovados na comissão.

Para os procuradores da República José Alfredo de
Paula, Raquel Branquinho e Rômulo Moreira, que assinam
as ações, os atos de concessão violaram os princípios
da legalidade, da moralidade e da
impessoalidade. "Tais deputados, sem qualquer pudor,
participaram das sessões em que houve análise e
aprovação de requerimentos das empresas a estes
vinculadas, inclusive votando pela outorga ou
renovação das concessões", afirmaram.

Foram propostas seis Ações Civis Públicas contra a
União. Liminarmente, o MPF pede a suspensão imediata
das concessões e, no mérito, a anulação definitiva das
outorgas. Além disso, as empresas podem ser condenadas
a pagar multa por dano moral coletivo. Os deputados
podem ainda ser processados por improbidade
administrativa.

Concessionárias e parlamentares envolvidos:

1. Alagoas Rádio e Televisão (Maceió - AL); João
Mendes (sem partido); sócio-diretor

2. Emissoras Reunidas (Caxias do Sul - RS); Nelson
Proença (PPS-RS); sócio

3. Rádio Continental FM (Campinas - SP); Wanderval
Santos (PL/SP); sócio

4. Rádio Difusora de Imbituba (Imbituba - SC); Carlos
Alberto Leréia (PSDB/GO); sócio-diretor

5. Rádio Renascença (Ribeirão Preto - SP); Corauci
Sobrinho (PFL/SP); sócio

6. Sociedade Rádio Atalaia de Londrina (Londrina -
PR); João Batista (PP/SP); sócio

http://www.direitoacomunicacao.org.br/novo/content.php?
option=com_content&task=view&id=983

COMENTÁRIO:

Escapou dessa lista dosis parlamentares paraenses que também receberam concessão: São eles Zequinha Marinho e Wladmir Costa ambos do PMDB.
Enquanto isso, o governo não libera as concessões de rádios comunitárias que fazem parte do movimento popular.

sexta-feira, 27 de julho de 2007

DEU NA IMPRENSA

Aposentado morre atropelado na perigosa Transamazônica

Permanece no aguardo da localização de parentes, o corpo do aposentado Joaquim Cândido da Costa, 69 anos, que perdeu a vida por volta de 8h30 da última quarta-feira (25), quando tentava atravessar a rodovia Transamazônica, em frente ao Hemocentro Regional de Marabá, no sentido Cidade Nova. As providências posteriores ao acidente acabaram por formar congestionamento no trânsito.
Ele foi colhido por uma camionete de placas JWC-1304, de Marabá, a qual era conduzida pelo jovem empresário Andrey Dimitry Rocha. Com o forte impacto, o corpo de Joaquim Cândido foi projetado à distância do local do acidente, já sem vida.
Ouvido pela reportagem ainda no local, o pai de Andrey, Leonildo Rocha, relatou que ele e o filho tinham acabado de sair de casa, no bairro Amapá, e seguiam em veículos diferentes para o trabalho. O ancião, segundo testemunhas e o próprio Leonildo, estava atravessando a pista com auxílio de uma bengala, mas inseguro e inadvertidamente no meio da pista, resolveu retornar de forma atrapalhada, surpreendendo Andrey, que seguia na frente do pai. Ele tentou, mas não conseguiu evitar a batida devido a vítima ter retardado de forma brusca e inesperada.
Abalado e entristecido com a tragédia, Leonildo Rocha avaliou o acidente como uma “fatalidade”, e revelou que por ironia do destino o aposentado Joaquim Cândido era uma das pessoas atendidas pelo serviço social de sua empresa e recebia cesta de alimento da mesma havia cinco anos.O aposentado não tinha parentes em Marabá e morava com Maria dos Reis da Silva Sousa, 40 anos, residente na avenida Paraíso, Quadra 9, Lote 21, bairro Independência. Segundo ela, Joaquim Cândido tinha contraído muitas dívidas e estava lutando para fazer empréstimo para pagar o comércio e aluguel da casa onde morava. No bolso dele foi encontrado apenas R$ 2,00, um cartão magnético e extrato bancário que informava que ele tinha em conta um saldo de R$ 275,69.
Maria dos Reis revelou que o aposentado possuia uma filha que mora em Palmas (TO), e os demais parentes residem em Goiânia (GO). Mas que não dispunha de endereço e nem telefone de nenhum deles. “Vamos tentar o contato para saber se eles vêm para o sepultamento”, ressaltou.
Ainda no local do acidente, o advogado da família Rocha, Olivaldo Ferreira, disse que apresentaria o condutor para prestar depoimento na polícia no momento oportuno. Ele responderá por homicídio culposo (não intencional). Segundo Olivaldo Ferreira, Andrey não teve como desviar do ancião, que não estava na faixa de pedestre, como deveria. O causídico também descartou que o seu cliente estivesse em alta velocidade, como especulavam alguns curiosos. “Ele acabava de sair de uma pista secundária do bairro Amapá, portanto não havia espaço capaz para desenvolver velocidade, mas isso a perícia é quem vai dizer”.
Leonildo Rocha disse que, embora o ancião não tivesse parente em Marabá, o corpo dele vai permanecer na geladeira do IML (Instituto Médico Legal) pelo prazo que manda a lei. Não sendo reclamado, ele mesmo providenciará o enterro. O empresário aproveitou para fazer um apelo às autoridades de trânsito por mais atenção àquele trecho da rodovia onde costumeiramente acontecem acidentes.

www.correriotocantins.com.br - coluna da policia
COMENTÁRIO:

O que está em negrito é apenas uma versão, a outra o morto não pode falar!

DEU NA IMPRENSA 2

COLUNA RONDA POLITICA DO CT

Através de três decretos publicados ontem no Diário Oficial do Estado e emitidos diretamente pelo gabinete da governadora Ana Júlia Carepa, três pessoas de Marabá foram nomeados para cargo em comissão como assessores especiais I e II. *** São eles: Luiz Bressan, indicado pela tendência PT pra Valer; Aluizio Ribeiro do Patrocínio, indicação do vereador Ferreirinha (PSB) e Regivaldo Carvalho – indicado de Maurino Magalhães (PR).

*** A justificativa, a qual não consta no decreto, obviamente, é de que os três ficarão à disposição para coordenar a fase municipal do Plano Territorial Participativo (PTP). *** Eles se juntam ao petista Ronaldo Giusti, que também já estava listado anteriormente como assessor Giust foi indicado pela tendência Democracia Socialista (DS).

*** Enquanto nomeia uns, Ana Júlia vai demitindo outros. Mário Cardoso continua firme e forte na Seduc mas se viu obrigado a substituir os secretários adjuntos de Gestão e de Logística Escolar, respectivamente Otávio Pinheiro e William Gaia, para ver se a pasta engrena.

*** Já assumiram os substitutos: Eliésio Martins e Roberto Barreto. Bira Rodrigues foi mantido como secretário-adjunto de Ensino. *** A Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social (Sedes), também tem nova titular. É a assistente social Ana Maria Lima Barbosa, a qual foi convidada pela própria governadora. *** À Imprensa, a governadora tem dito que as substituições no secretariado fazem parte do "processo de ajustes técnicos na equipe".

*** Outro que caiu foi o coronel PM Henrique Coelho, que desde o início da atual gestão era o chefe da Casa Militar. Citado nas investigações sobre emprego de policiais militares na guarda armada de fazendas e empresas, quando comandava o CPR-II, em Marabá, Coelho viu o seu prestígio despencar no Palácio dos Despachos.

*** A permanência no cargo foi bancada pela própria governadora num primeiro momento, mas agora ele foi substituído na função de alta confiança pelo tenente-coronel Raimundo de Oliveira Pantoja Júnior, que atuava como corregedor-geral da PM.

COMENTÁRIO:

Engraçado Regivaldo ajudando a fazer participação popular!!! Pode???
Quando foi vereador por duas legislatura mal abria boca pra falar.

quinta-feira, 26 de julho de 2007

ACONTECE HOJE: Conferência das Cidades em Marabá

Com objetivos de propor a interlocução entre autoridades e gestores públicos dos três Entes Federados com os diversos segmentos da sociedade sobre assuntos relacionados à Política Nacional de Desenvolvimento Urbano; A 1ª Conferência Municipal das Cidades terá como Lema: “Desenvolvimento urbano com participação popular e justiça social” e como Tema: “Avançando na gestão democrática das cidades”.

O tema deverá ser desenvolvido de modo a articular e integrar as diferentes políticas urbanas, de maneira transversal.

A Conferência acontecerá no auditório da Escola Judith Gomes Leitão e deverá eleger os delegados para conferência estadual que vai ocorrer em Belém.

quarta-feira, 25 de julho de 2007

DEU NO BLOG DO HIROSHI:

Sebastião Miranda não apoiará a candidatura a prefeito de Asdrubal Bentes (PMDB). Decisão pessoal foi comunicada por ele a alguém de sua extrema confiança. Seus candidatos estão entre o deputado estadual João Salame (PPS), o vice-prefeito Ítalo Ipojucan (PDT) ou um terceiro nome que poderia ser o de Rogério, amigo de longas datas do prefeito de Marabá, dependendo do momento político em junho de 2008.
Também não dirá isso ao deputado federal. Há muitos recursos destinados ao município em fase de liberação em Brasília tendo Asdrúbal como principal avalista.


Comentário:

Tião Mirnda poderia indicar o seu secretário de saúde Pedrinho. bem que poderia ser um otimo candidato a prisioneiro!!!!

Agora quem já viu falar em Rogério???
Bem que ele apoiasse Lucidio,Zoran,Vanda,...mais Rogério.... de que..???

terça-feira, 24 de julho de 2007

Exoneração 2

ATÉ QUE ENFIM!!!!!

Chega o fim a era ESTANISLAU ALVES SERVILHA, o "super" diretor da Escola Estadual Plinio Pinheiro, foi ou será demitido, exonerado, posto para fora, aposentado, canetado,... Chegará o fim de uma era onde a perseguição, o autoritarismo e os desmandos tomram de conta da Escola mais tradicional de Marabá.

Se confirmado a exoneração, muitos daqueles que enfrentaram o DITADOR e sua mulher Maravilha vão comemorar a beça!!!

Esperamos que essa noticia se confirme e a comemoração é certa....Motivo eu tenho!!afinal de contas foi ali que iniciei minha militância política enfrentando o tirano Servilha.

Exoneração 1

Segundo a coluna Linha Direta do DIARIO, entre hoje e amanha, a governdora Ana Julia deverá exonerar da SESPA todos os diretores e o secretário-adjunto . So deverá permanecer o titular, o secretário Halmélio Sobral.

Comentário:

AgOra ninguém, sabe como vai ficar o quadro político a partir dessas exoneraçãoes. Diga-se de passagem que todos os diretores foram indicados por Jader Barbalho, inclusive a mairoria tem o sobrenome BARBALHO, É SÓ LER O DIARIO OFICIAL e confirmar.

DEU NO DIÁRIO DO PARÁ*

A governadora tinha conhecimento de graves irregularidades envolvendo o coronel Coelho- exonerado por Ana Julia do cargo de Chefe da Casa Militar na ultima terça feira - na gestão de suprimentos coordenada pelo oficial na graja do icui.

Segundo uma fonte de dentro do gabinete da governdora, essas compras feitas para granja estariam com preços bem aima da média de mercado. A govenadora, que comprovou in loco, chegou a afastar a capitã Solange, oficial de confiança do Coronel Coelho da Administração do Icui. Sindicancia vai ser instaurada para apurar os fatos e hoje são civis que administram a granja.

*jornal do Jader (PMDB) aliado de Ana Julia (PT)

COMENTÁRIO:

Logo no incio do seu governo uma série de denuncias contra este coronel foi apresentada a imprensa, na epoca a governadora nao deu muita confiança para o caso.

aprenda governadora!!!

sábado, 21 de julho de 2007

Secretário de Saúde preso em Marabá


MOTIVO Município suspende remédio para paciente e titular da Secretaria é denunciado

A juíza Maria Aldecy de Souza Pissolati, titular da 3ª Vara Cível de Marabá, decretou a prisão temporária do secretário municipal de Saúde, Pedro Corrêa Lima, por desrespeito à ordem judicial. Ele teria deixado de fornecer medicamento de uso contínuo ao paciente do Sistema Único de Saúde (SUS), Cláudio Werneck Nunes, que sofre de síndrome de Croun, segundo denunciou o próprio paciente em um mandado de segurança.
Pedro Lima foi preso na manhã desta sexta(20) e levado para o Centro de Recuperação de Marabá, mas não ficou em nenhuma cela e sim na sala do próprio diretor do centro, Paulo Sérgio da Silva, uma vez que a cadeia não dispõe de cela especial, a que o secretário tem direito em razão de ter formação superior.

Em sua defesa, Pedro Lima confirmou para a imprensa que desde que houve uma liminar que obrigava a Secretaria Municipal de Saúde a fornecer o medicamento, ele o vinha fazendo, mas sem comunicar à magistrada, de maneira que a juíza entendeu que Pedro Lima desobedeceu a uma ordem judicial, por isso decretou sua prisão. Ela, contudo, condicionou a soltura de Pedro Lima à liberação do medicamento, que é garantido por lei e, por isso, o município tem obrigação de repassar.

SOLUÇÃO RÁPIDA - Embora o denunciante, que sofre de uma doença degenerativa, estivesse sem receber o medicamento desde dezembro, rapidamente a Secretaria Municipal de Saúde agilizou a chegada de parte dos remédios, que veio de Belém, em menos de oito horas, que foi o tempo em que o secretário de Saúde ficou preso. O próximo passo do município será abrir licitação para comprar um lote maior de medicamentos nos próximos meses.
Chagas Filho www.diariodopará.com.br sabado dia 21 de julho

COMENTÁRIO:
É sabido que várias denuncias sao apresentadas cotidianamente no MP contra a atual má gestão do secretário de confiança do Tião Miranda, Sr Pedrinho da Banda Cristal. As denúncias sao todas por omissão, falta de respeito e claro pelo péssimo atendimento que ele e seus lacaios o fazem.

ESCOLAS

Prefeito empossa diretores eleitos

O prefeito de Conceição do Araguaia, Álvaro Brito, já empossou nove dos 12 diretores de escolas municipais das zonas urbana e rural eleitos pelo voto direto. É a primeira vez na história do município, localizado no sul do Pará, que alunos, pais, funcionários e a comunidade escolar escolhem os gestores das escolas públicas para um mandato de dois anos, sem a interferência do poder público.
De acordo com Álvaro Brito, esse é um momento histórico na região sul do Pará, porque a comunidade passa a participar diretamente do processo educacional. “Antes, quando os diretores eram indicados pelo poder público e alguma coisa dava errado, as pessoas diziam que a culpa era do prefeito que os nomeou, mas agora vão dizer que os diretores só fazem coisa certa porque a comunidade os escolheu e participa das decisões”, discursou o prefeito na Escola “Nova República”, no assentamento do Lote 8, na localidade Joncon, zona rural, ao empossar o diretor Nacione Ferreira dos Santos.
Mas Álvaro Brito alertou que esse processo democrático nas escolas públicas não pode se perder ao longo do tempo. “A população tem que se apropriar desse instrumento e nunca permitir que qualquer gestor futuro, numa atitude ditatorial, possa lhe tirar esse direito histórico conquistado”, disse, acrescentando que estava resgatando um compromisso de campanha.

COMENTÁRIO:
Está na hora da governadora seguir o exemplo e começar o processo de democratização da gestão escolar.

quarta-feira, 18 de julho de 2007

ESCANDALO NO SENADO


A maioria dos senadores envolvidos são do PMDB (base aliada do governo LULA) enquanto isso, o PT não move uma folha para desbaratear os corruptos.

Entre os senadores que tem inumeros processos, está um senador do Pará do PSDB.

DEU NA ISTOÉ!!!!!



Estes são os senadores que estão envolvidos em escandalos, entre eles um SENADOR DO PARÁ, FERNANDO FLEXA RIBEIRO DO PSDB

Etanol e biodiesel: energia para quem?

Num modelo que traz impactos negativos a comunidades tradicionais, procura-se transformar o Brasil em grande exportador de combustíveis líquidos, destinando grandes extensões de terra para a monocultura.

Por Heitor Scalambrini Costa *

Muitos acreditam e manifestam a crença de que o mercado pode ser o responsável pela implantação da filosofia do desenvolvimento sustentável. Acreditam que, com o decorrer do tempo, e com o surgimento de novas tecnologias, os problemas ambientais podem ser sanados e superados, resultando numa melhoria do bem-estar social ou mesmo na diminuição das desigualdades sociais.


O fato é que o desenvolvimento sustentável não pode ser tratado apenas como uma questão restrita a políticas ambientais e tecnológicas. Os problemas da desigualdade social e do modo de produção atual são os obstáculos para se alcançar uma forma de desenvolvimento capaz de preservar o meio ambiente e, ainda assim, proporcionar melhores condições de vida às pessoas excluídas do sistema de trabalho. Um modelo sustentável só será possível a partir da mudança dos modos de produção e de consumo da sociedade.

É a razão capitalista com base no consumismo, no militarismo e na da lógica de acumulação do capital que está levando o nosso planeta - e os seres vivos que o habitam - a uma situação catastrófica do ponto de vista do meio ambiente, das condições de sobrevivência da vida humana e da vida em geral.


A questão central é como vamos mudar o sistema de produção. Na medida em que muda a produção, muda também o consumo. A produção comanda e obriga o consumo. Se há preocupação em mudar a questão ambiental é preciso pensar em mudar o sistema de produção, o modelo atual da civilização ocidental industrializada.


Discutir, portanto, uma mudança na matriz energética que realmente busque preservar a vida e o bem-estar dos indivíduos no planeta tem que levar em conta uma profunda transformação nos padrões atuais de produção/consumo, no estilo de vida, no conceito de "desenvolvimento" vigente e na própria organização de nossa sociedade. Entende-se que, para concretizar uma estratégia em bases sustentáveis, seria necessário investir em alternativas renováveis como a energia eólica, solar térmica, fotovoltaica, marés, ondas e biomassa. Porém, discutir novas fontes de energia implica, em primeiro lugar, refletir a serviço de quem estará esta nova matriz, e levar em conta quem se beneficiará ou a qual propósito ela servirá. Ou seja, energia para quê? E para quem?

professor da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e coordenador de projetos do Centro de Estudos e Projetos de Energias Renováveis (Naper-Solar)

Comissão privilegia Estatuto e enfraquece projeto de mineração

A discussão integral do Estatuto dos Povos Indígenas - e não apenas o projeto isolado sobre mineração - consiste na prova de fogo da Comissão Nacional de Política Indigenista (CNPI), que se reúne pela segunda vez em Brasília

Por Maurício Hashizume - REPORTER BRASIL


Líderes indígenas não estão dispostos a abrir mão da discussão mais ampla do Estatuto do Índio, pendente desde a Constituição de 1988, em nome da regulamentação isolada da mineração em Terras Indígenas (TIs). A decisão pela retomada do debate inconcluso do Estatuto deve ser confirmada na segunda reunião da Comissão Nacional de Política Indigenista (CNPI), instância ligada ao Ministério da Justiça que reúne membros do governo e da sociedade civil, incluindo representantes de organizações indígenas e entidades indigenistas. Desde segunda-feira (9), índios que participam da Comissão estão reunidos em Brasília para definir posições que serão apresentadas na reunião extraordinária desta quinta-feira (12).


Para Jecinaldo Cabral, do povo Sateré-Mawé e membro da direção da Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (Coiab), o Estatuto é fundamental para "nortear toda política indigenista". "Discussões isoladas enfraquecem o movimento indígena e favorecem os interesses do poder econômico", argumenta Jecinaldo. Na primeira reunião do CNPI realizada no início de junho, o presidente da Fundação Nacional do Índio (Funai), Márcio Meira, apresentou um anteprojeto sobre mineração em TIs elaborado pelo governo federal, que ainda não foi apresentado ao Congresso Nacional. A minuta foi prontamente submetida à Subcomissão Legislativa, uma das mais importantes entre os nove agrupamentos internos da CNPI, que dedica espaço especial para o Estatuto dos Povos Indígenas.


A fixação de uma porcentagem mínima de apenas 3% do faturamento bruto obtido com a atividade mineradora para as populações indígenas foi um dos pontos do anteprojeto que mais sofreu críticas. "As terras são da União, mas na prática somos nós que zelamos pela Amazônia. Não achamos justa essa imposição de uma cota tão pequena. A Funai pode intermediar as negociações, mas a decisão precisa ser dos povos", coloca o coordenador da Coiab. Na I Conferência Nacional dos Povos Indígenas, realizada em 2006, a necessidade de regulamentar a mineração chegou a ser colocada na mesa pela Funai, mas não foi recebida com muito entusiasmo pelos participantes. As TIs somam um total de 110 milhões de hectares (13% do território nacional) e correspondem a cerca de 25% da área denominada como Amazônia Legal.

terça-feira, 17 de julho de 2007

HELOISA HELENA SURGE COMO ALTERNATIVA

Longe das benesses do poder, mas perto do pulsar das ruas, aos poucos o PSOL, capitaneado pela combativa ex-senadora Heloísa Helena (AL), começa a se consolidar como real alternativa de esquerda à polarização PT-PSDB, aparecendo em primeiro ou segundo lugar, dependendo dos adversários. É o que revela a pesquisa realizada pelo Instituto Brasileiro de Pesquisa Social (IBPS). O instituto quis saber em quem os entrevistatdos votariam se as eleições para presidente da República fossem hoje.

FILIE-SE AO PSOL

Escravagismo da PAGRISA no Pará

Durante mais de uma hora, tempo que durou a reunião entre as partes envolvidas no caso Pagrisa e o ministro do Trabalho e Emprego, Carlos Lupi, na semana passada, subiram faíscas. Os fiscais foram acusados pelos dirigentes da empresa e por parlamentares paraenses - entre eles o senador Flexa Ribeiro (PSDB) e o deputado Giovanni Queiroz (PDT) - de montar um “circo para a mídia”, antes de conhecerem os fatos que geraram as acusações contra a Pagrisa. A secretária nacional de Fiscalização, Ruth Vilela, reafirmou os graves problemas que cercam a lavoura de cana em Ulianópolis, no Pará.

Prova dos seis
Para um observador da polêmica, a Pagrisa poderia começar sua defesa provando que: assina a CTPS de todos os seus empregados; paga remuneração igual ou superior ao mínimo permitido em lei; não realiza “descontos” ilegais sobre essa remuneração; obedece à legislação em vigor sobre saúde ocupacional, aí incluído o fornecimento de roupas profissionais e EPI’s, quando devido; paga os adicionais legais referentes a trabalho extraordinário, perigoso e insalubre, e recolhe todos os encargos previdenciários e trabalhistas incidentes sobre a folha de pagamento. São apenas seis itens.

Amigo da onça
A presença do deputado Paulo Rocha na reunião intrigou alguns, mas o próprio parlamentar explicou seu interesse pelo caso. Ele é autor da lei que desapropria terras onde ocorrer comprovada prática de trabalho escravo. De intrigados, os ficais do grupo móvel do Ministério Público do Trabalho ficaram indignados. É que, segundo Rocha, ações espetaculares e acusações infundadas banalizam as inspeções e podem provocar uma enxurrada de ações na Justiça, o que desmoralizaria a lei que ele criou.

Pará na liderança
O Pará é o Estado que mais recebe denúncias de trabalho escravo, segundo Ronaldo Marcos de Lima Araújo, coordenador da Pós-Graduação do Centro de Educação da UFPA, que tratou do assunto em conferência na 59a Reunião Anual da SBPC, realizada na semana passada, em Belém. Ele usou dados da Organização Internacional do Trabalho (OIT) e da Comissão Pastoral da Terra (CPT) para mostrar que o Estado responde por 60% dos resgates de trabalhadores realizados no país.


COMENTÁRIO:

Dá pra perceber a quanto andas a "fiscalização" do trabalho depois que a turma do PDT de Giovanni Queiroz assumiu a DRT no Pará. È como se colocasse a raposa pra cuidar das galinhas.

MORALES ANUNCIA ESTATIZAÇÃO DE FERROVIAS DO PAÍS

Viva o povo boliviano!!!



O presidente boliviano, Evo Morales, anunciou no domingo que vai nacionalizar a Empresa Nacional de Ferrovias (Enfe), que foi privatizada pelo ex-presidente Gonzalo Sánchez de Lozada em seu primeiro mandato, em 1996.

"Quem falava em capitalização que nos diga agora onde estão os frutos. O que houve foi descapitalização do povo boliviano e nossas empresas, por isso iniciamos a nacionalização da Enfe", afirmou Morales, durante a inauguração de um circuito turístico.

A operação ferroviária é pequena na Bolívia. O grupo chileno Luksic controla a Empresa de Ferrovias Andina, que opera os trajetos do oeste ligando a Bolívia com Chile e Argentina, além da Empresa Oriental de Ferrovias, que une a região de Santa Cruz e a fronteira com o Brasil.

O grupo tem 50% das ações do setor ferroviário, e a americana Genesee Wyoming tem os outros 50% da Empresa Oriental.

Já a companhia petrolífera anglo-holandesa Shell vendeu todas as ações que tinha em empresas de gás na Bolívia para a empresa britânica AEI. Com o negócio, que precisa de aprovação do governo boliviano, a Shell sai da Bolívia.

FOLHA DE SÃO PAULO

segunda-feira, 16 de julho de 2007

Lula diz que ficou triste com vaias durante abertura do Pan

da Folha Online

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou nesta segunda-feira, durante o programa de rádio "Café com o Presidente", que ficou triste com as vaias que recebeu durante a abertura oficial da 15ª edição dos Jogos Pan-Americanos, realizada no estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro.

"A vaia e o aplauso são dois momentos de reação do ser humano. A única coisa que eu, particularmente, fico triste é que eu fui preparado para uma festa. É como se eu fosse convidado para o aniversário de um amigo meu, chegasse lá e encontrasse um grupo de pessoas que não queria a minha presença lá. Eu tenho certeza de que não é esse o pensamento do Rio de Janeiro. Depois que terminou o evento, várias pessoas vieram dizer que tinha sido organizado, que gente tinha recebido o convite. A mim, não me interessa o que aconteceu, já aconteceu. O importante é que foi uma abertura extraordinária dos Jogos Pan-Americanos", afirmou.

NOVO VISUAL

A PARTIR DE HOJE ESTA PAGINA PASSAR TER UM NOVO VISUAL, ISSO FAZ PARTE DAS MUDANÇAS QUE ESTÃO SENDO IMPLEMENTADAS PARA MELHORAR A LEITURA E AS INFORMAÇÕES SEREM REPASSADAS COM MAIOR COMODIDADE


RIBAMAR

Pequeno notável

Dora Kramer -

11/7/2007

O Estado de S. Paulo


Com três deputados, um senador e um símbolo agitador, o PSOL fez, nas últimas semanas, o que todos os outros partidos se abstiveram de fazer: é o autor das representações por quebra de decoro parlamentar contra os senadores Renan Calheiros e Joaquim Roriz, prepara-se para contestar a lisura do mandato do deputado Olavo Calheiros e só espera o suplente de Roriz, Gim Argello, tomar posse para contestar seu direito a tomar assento no Senado.

Se ao leitor parece pouco, digamos de outra forma: não fosse o PSOL romper a barreira do compadrio no Parlamento em geral e no Senado em particular, Renan Calheiros seria um presidente do Senado ainda reverenciado e Joaquim Roriz provavelmente ainda estaria de posse de seu mandato.

E o que um partido ínfimo, com menos de dois anos de vida, 20 mil filiados, desprovido de base social e dono de um discurso socialista percebido como ultrapassado tem que outras legendas mais poderosas, festejadas, social e politicamente reconhecidas, experientes e eleitoralmente competitivas não têm?

Responde numa frase o deputado Chico Alencar, um dissidente que se desligou do PT na segunda leva depois do expurgo que decapitou a senadora Heloísa Helena (o símbolo agitador), e os deputados Luciana Genro, Babá e João Fontes: “Temos autonomia em relação a interesses corporativos arraigados não só no Congresso, mas em toda a sociedade, numa palavra, temos independência.”

Ação na Ilha de Marajó acaba com escravidão de 20 anos

Grupo móvel de fiscalização libertou 30 pessoas de trabalho escravo em fazenda de criação de búfalos, no município marajoara de Soure, no Pará. Isolados e presos por dívidas, alguns trabalhavam há duas décadas no local

Por Beatriz Camargo

O grupo móvel de fiscalização do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) encerrou uma ação que libertou 30 pessoas da escravidão, na última sexta-feira (1), na fazenda Santa Maria, no município de Soure, na Ilha do Marajó, Estado do Pará. O grupo cuidava da criação de búfalos e alguns dos trabalhadores moravam no local há 20 anos. O proprietário, Ovídio Pamplona Lobato, é médico e reside em Belém (PA).

Do grupo móvel participam auditores fiscais do trabalho, procuradores do Ministério Público do Trabalho (MPT) e Polícia Federal. De acordo com o auditor fiscal Humberto Célio Pereira, coordenador da ação, os trabalhadores estavam presos por intermédio de dívidas. "Eles tinham que comprar tudo na cantina, desde botas até comida", relata. Os trabalhadores não tinham sequer acesso ao valor dos produtos comprados, que era descontado diretamente de seus respectivos salários. Apenas sabiam que a dívida, na maioria das vezes, ultrapassava o valor do que deveriam receber. Pelo acordo verbal, eles deveriam receber mensalmente um salário mínimo (R$ 380,00). Em 2006, porém, o ganho anual de alguns trabalhadores foi de R$ 500,00.

Feudos

Lideranças petistas só agora estão percebendo que o partido deu mais do que devia ao PMDB, no acordo feito para eleger Ana Júlia. As secretarias e os órgãos peemedebistas são verdadeiros feudos, funcionam indepedententes do restante do governo. A presença do PMDB no interior, com o Detran e a Sespa, é até mais forte do que a do próprio PT. As tentativas feitas para incluir nomes do petismo ao menos no segundo escalão das 'propriedades' peemedebistas foram rechaçadas de pronto.

domingo, 15 de julho de 2007

O mito da floresta amazonica

Andando estes ultimos dias pela regiao sul e sudeste do Pará, tenho percebido o quanto ouvimos sobre um "mito", é a floresta? ou é paisagem do pasto?

AGUARDEM

VEM AI UMA SÉRIE DE ARTIGOS SOBRE A REGIAO PARA ESTABELECER O DEBATE SOBRE O AVANÇO DO DESMATAMENTO NA AMAZONIA.

DUNGA: A vitória e dedicação

A vitória da seleção brasileira foi dedicada aos povos latinos, africanos, judeus e palestinos que na sua luta do dia a dia tem uma alma pura , pelo sofrimento e pela luta pela vida. Essa foi a dedicação dada por Dunga logo após a vitória da seleção.

sábado, 14 de julho de 2007

PAN, VAIAS E AS METRALHADORAS

As vaias sonoras para o presidente LULA na abertura dos jogos Pan-Americanos são exatamente o sentimento do povo carioca contra a omissão do governo no trato das questões de combate a violencia. o governo do Rio vem desencadeando uma serie de ações que extermina pessoas, o presidente Lula ainda aplaudiu essas ações.O problema é que muitas pessoas inocentes estao sendo vitima neste tipo de operação.
As vaias serviram para mostrar que o governo LULA não tem tido uma ação mais presente no combate ao crime organizado, portanto,é necessário que o governo federal assuma com responsabilidade a situação do Rio de Janeiro, ou quem ganhará medalha de ouro dos tiros de metralhadoras??

sexta-feira, 13 de julho de 2007

Escravagistas

O Pará é o estado com maior número de empregadores, 52 (ou 27% do total), relacionados no cadastro do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), que utilizaram mão-de-obra em situação análoga à de escravo, conhecido como “lista suja”. O cadastro foi divulgado terça-feira (10), agora ampliado com a entrada de 51 novos nomes de empregadores de 16 estados diferentes, pessoas físicas e jurídicas, flagrados cometendo esse crime.
Os outros Estados são Tocantins (43), Maranhão (32), Goiás (24), Mato Grosso (16), Bahia (5), Mato Grosso do Sul (4), Minas Gerais, Santa Catarina e Rondônia (3), Piauí (2) e Rio Grande do Sul, Ceará, Amazonas, Rio Grande do Norte e São Paulo (1). Os com maior representação na “lista suja” estão localizados no arco do desmatamento amazônico e na região do cerrado, onde a vegetação nativa vem sistematicamente perdendo espaço para empreendimentos agropecuários.
Nessas fazendas e carvoarias, os trabalhadores eram submetidos a condições subumanas na derrubada de mata nativa para a ampliação de pastagem, na colheita da cana-de-açúcar para a fabricação de álcool, na limpeza do terreno para o plantio de soja e algodão, no cultivo de café, babaçu, feijão, arroz, milho, batata e tomate, na extração de resina, na produção de carvão vegetal (matéria-prima para a siderurgia), entre outras atividades.
COMENTÁRIO:

No Pará quem comnda a DRT ( delegacia de combate ao trbalho escravo) pasmém é Fernadno Coimbra indicado por Giovani Queiroz (deputado representante da UDR)

PARAUAPEBAS: Desgoverno do PT mancha a cidade de corrupção

Em Paraupebas o que se mais fala é na administração desatrosa do prefeito Darci Lermem. Até agora ele mantém alto indice de rejeição e até dotou o novo slogam: "o trabalho fala mais alto". Pra quem não lembra, basta perguntar quem conheceu a administração Mutran no idos de 90.

Governo quer fundação para gerenciar saúde

O governo federal quer flexibilizar relações trabalhistas e regras de licitação em nove setores da administração pública, retirando, por exemplo, a estabilidade no emprego. A proposta foi enviada por meio de projeto de lei ao Congresso.
Ela abre caminho para regulamentar a administração de setores do Estado por meio de fundações de direito privado sem fins lucrativos. A regra valeria para hospitais e outras áreas como a TV pública, ciência e tecnologia e previdência complementar de servidores -em todos os casos, serviços não-exclusivos do Estado.
O projeto enfrenta resistência de sindicatos e de outros setores da área de saúde, pois permite a contratação de funcionários públicos sob regras do setor privado -retirando deles direitos tipicamente associados ao serviço público, como estabilidade.
Por outro lado, os contratados das fundações, que terão autonomia gerencial e orçamentária, não ficam submetidos ao teto salarial.
O governo argumenta que a mudança dará agilidade à gestão pública e irá premiar o servidor com bom desempenho.


COMENTÁRIO:
Privatização a vista!!!!

quinta-feira, 12 de julho de 2007

A nova geopolitica das nações

Toda análise do sistema internacional supõe alguma visão teórica, a respeito do tempo, do espaço e do movimento da sua “massa histórica”. Sem a teoria é impossível interpretar a conjuntura, e identificar os movimentos cíclicos e as “longas durações” estruturais, que se escondem e desvelam, ao mesmo tempo, através dos acontecimentos imediatos do sistema mundial.

Só tem sentido falar de “grandes crises”, “inflexões” e “tendências” a partir de uma teoria que relacione e hierarquize fatos e conflitos locais, regionais e globais, dentro de um mesmo esquema de interpretação. Além disto, é a teoria que define o “foco central” da análise e a sua “linha do tempo”. Por exemplo, com relação às transformações mundiais das últimas décadas, é muito comum falar de uma “crise da hegemonia americana”, na década de 70, e reconhecer que depois disto, houve duas inflexões históricas muito importantes, em 1991 e 2001.

Mas por trás deste consenso aparente, podem esconder-se interpretações completamente diferentes, dependendo do ponto de partida teórico de cada analista. Por isto, essa nossa análise da conjuntura internacional começa expondo, de forma sintética, o seu foco de observação, a sua tese central e suas principais premissas teóricas, para só depois analisar as mudanças recentes do sistema mundial, e discutir o novo lugar da China, Índia, Brasil e África do Sul

Lembra da "sensação de insegurança", agora tem a "percepção sobre corrupção" : pode???

Ministro afirma que relatório do Bird é "ridículo"



Jorge Hage, chefe da CGU (Controladoria Geral da União), classificou, em nota, de "ridículas" as conclusões do relatório divulgado anteontem pelo Banco Mundial, segundo o qual o nível de corrupção no país é o pior em dez anos. Hage contestou a confiabilidade dos dados.
Segundo Hage, o que aumentou foi a percepção sobre corrupção, em decorrência do combate mais intenso ao problema

Caso Renan: PSOL continua no seu encalço

Apuração teria como alvo a suspeita de que o senador teria favorecido a Schincariol após ela ter fechado negócio com um de seus irmãos

presidente do Conselho de Ética considerou "intempestivo" o pedido de aditamento do processo feito pelo PSOL e afirmou que ele prejudicaria o andamento dos trabalhos.
"Já foram estabelecidos os limites da lide e o aditamento apresentado ontem [anteontem] provém de fato estranho ao processo. Por isso, com a concordância dos relatores, foi indeferido", afirmou Quintanilha, em nota divulgada à imprensa.
O PSOL lamentou a decisão. "Esperávamos que o conselho acolhesse o aditamento que fizemos. Não temos outra saída a não ser apresentar nova representação", disse o senador José Nery (PSOL-PA).

Desde que a nova suspeita veio à tona no último final de semana, os relatores do processo contra Renan não se mostraram dispostos a investigá-la. Eles tentam empurrar o caso para a Câmara dos Deputados, afirmando que seria relativo a Olavo Calheiros, e não ao presidente do Senado.

Na Câmara, o PSOL deixou para agosto para entrar com um pedido no Conselho de Ética da Casa para investigar Olavo Calheiros
O partido planejava fazer as representações hoje, mas decidiu adiar por dois motivos: quer a presença da sua presidente nacional, Heloísa Helena (AL), no momento do protocolo. Heloísa estaria sem espaço na agenda para viajar a Brasília.

Além disso, o PSOL quer esperar o possível surgimento de novas suspeitas. "Queremos robustecer a representação", disse o líder do PSOL na Câmara, Chico Alencar (RJ). A Folha tentou falar ontem com Olavo Calheiros, mas não conseguiu contato com o deputado.
(FERNANDA KRAKOVICS E FÁBIO ZANINI)

quarta-feira, 11 de julho de 2007

Índios ocupam área na BA em ato contra transposição

Salvador - Cerca de 300 integrantes da tribo Tumbalalá ocuparam, na madrugada de ontem, a Fazenda Palestina, em Curaçá (BA), na divisa com Pernambuco, às margens do Rio São Francisco. O ato, um protesto contra a transposição do rio, foi realizado no local onde está prevista a construção de duas barragens durante as obras.


Os índios reivindicam a área onde serão realizadas as obras e temem que a transposição afete a pesca e a agricultura, principais fontes de renda dos índios. "Estamos perdendo nossas áreas e vamos ter prejuízos com a transposição", afirma a líder da aldeia, Maria José Marinheiro.


A manifestação ocorre duas semanas depois de índios da tribo Trucá ocuparam, na outra margem do São Francisco, a área onde tiveram início as obras de transposição, na zona rural de Cabrobó (PE). Os trucás deixaram a área na quinta-feira e as obras foram reiniciadas no fim de semana.


www.folhadesaopaulo.com.br


COMENTARIO:
Aqui no Pará.
Ontem a governadora Ana Julia disse ser favoravel a construção da Usina de Belo Monte,isso pode gerar protestos das naçoes indigenas e dos movimentos sociais que sao contra essa obra.

NOVO DELEGADO DO TRABALHO: Representante do Latifundio

FERNANDO COIMBRA NOVO TITULAR DA DRT-PA É CUNHADO DE LUCIANO GUEDES

Agora imagine muito bem como será as fiscalizações da Delegacia do Trabalho nas fazendas do sul e sudeste do Pará. Isso mesmo!! O novo delegado da DRT foi indicado pelo PDT, ou seja, pelo Deputado Giovanni Queiroz. Mas o que mais impressiona é que o mesmo é cunhado de Luciano Guedes(PDT) que é afiulhado politico de Giovanni e também é o atual vice presidente da FAEPA ( entidade maxima dos fazendeiros do estado do Pará.

terça-feira, 10 de julho de 2007

TRABALHO ESCRAVO: Governo do PT fomenta no Pará com aliança do PDT nacional

Giovanni Queiroz é o pai da "criança"
Com a nomeação em 22 de maio pelo ministro do Trabalho Carlos Lupi, do PDT, o novo chefe da Delegacia Regional do Trabalho do Pará, Fernando Coimbra, este substituiu Jorge Aragâo do PC do B.

No entanto, Fernando Coimbra está com a cabeça à prêmio. Líderes sindicalistas ligados ao PDT reunidos em São Paulo decidiram lutar pela demissão do dirigente por considerá-lo representante dos pecuaristas do Sul do Pará -, região com altos índices de incidência de libertação de trabalhadores supostamente em regime análogo à escravidão.

É provável que nesta quarta-feira (11), José Ibrahin -, secretário geral do Centro de Atendimento ao Trabalhador, entidade ligada à Diocese de São Paulo, seja recebido pelo presidente Lula para tratar do pedido de exoneração de Fernando Coimbra, indicado ao cargo pelo deputado federal Giovanni Queiroz (PDT).

COMENTARIO:

Não dá pra entender esse governo LULA, a medida que havia avançado no Pará o combate ao trabalho escravo com bom trabalho exercido por Socorro Gomes e por Jorge, agoro LULA nomeia um representante do LATIFUNDIO paa cuidar da DRT.

Impressionate é a capacidade dos que defendem o Estado de Carajás, tentam impor ao povo um projeto para as elites latifundiarias controlarem o poder nessa imensa região de grandes conflitos agrario.

vamos a luta!!! CARAJÁS AQUI JAMAIS!!!!!!

domingo, 8 de julho de 2007

Bloco conservador e o Governo LULA e suas "reformas"

GIUSEPPE COCCO

“Os números do ensino superior são, para a jovem democracia brasileira, vergonhosos. O Brasil tem quase 10% da juventude entre 18 e 24 anos na faculdade (sendo 3% nas estatais, 7% nas particulares). Na Europa, a taxa de inclusão universitária é de 60% a 80%. Sem ir tão longe, na vizinha Argentina, 40% dos jovens freqüentam as universidades. Aqui, menos de 10%. E, destes 10%, dois quintos nem chegam a se formar.

Diante disso, as tentativas do governo Lula de implementar o urgente processo de democratização do ensino superior enfrentam os interesses de dois blocos ideológicos. O primeiro mobiliza uma retórica de "esquerda": "Vamos barrar as reformas neoliberais de Lula e o FMI." Quando o governo regulamenta o estatuto filantrópico das universidades particulares atrelando-o a bolsas de entrada para alunos pobres (o Prouni), grita-se contra a privatização. Quando a reforma universitária previa a expansão do número de vagas, protestava-se dizendo que era preciso aumentar as verbas e os investimentos de permanência. Agora, que o governo lança um programa de aceleração da expansão das vagas de alunos nas universidades federais que prevê recursos suplementares para aquelas instituições que o realizam efetivamente (o Reuni), afirma-se que o decreto fere a autonomia universitária e a isonomia orçamentária. O segundo (e bem mais importante) bloco, o "liberal", mobiliza uma retórica "meritocrática" e, invocando supostos critérios de eficiência, opõe-se à democracia. Para essa tipologia de "liberais", o mérito é um ponto de partida (que necessariamente reproduz o violento status quo) e não aquele resultado que somente a excelência democrática permite alcançar.

Direita e "esquerda" neo-arcaicas e corporativas se juntam em um único bloco conservador. O velho medo aristocrático transforma a democracia em monstro. Não é por acaso que os supostos liberais e a suposta "esquerda" condenam as cotas anti-racistas: é contra os movimentos dos que estão de fora das universidades por causa de sua renda e portanto de sua cor e, vice-versa, por causa de sua cor e, pois, por causa de sua renda que as elites neo-escravocrata e corporativo-tecnocrática se reproduzem”.

Professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro
Donos de Emissoras terão que fazer cadastro

Informações sobre os donos de emissoras de radiodifusão são obrigatórias desde que a Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público da Câmara dos Deputados aprovou, no final de junho, o Projeto de Lei 1879/03, do deputado Edson Duarte (PV-BA).


O PL 1879/03 obriga a divulgação, na internet, da relação de proprietários e diretores das empresas de radiodifusão e das datas de início e de término das concessões para funcionamento das emissoras de rádio e TV. O Poder Executivo precisará manter um cadastro atualizado das concessões de rádio e TV, permitindo que a sociedade civil fiscalize a composição das empresas de radiodifusão e o cumprimento da Constituição, que impede o monopólio ou oligopólio.


O relator da proposta, deputado Edigar Mão Branca (PV-BA), apresentou emenda ao projeto, enquadrando como crime de improbidade administrativa (com base na Lei 8429/92) qualquer eventual negativa de disponibilização de dados por parte dos outorgados. Neste ano, vencem as licenças de funcionamento de 28 TVs, 80 rádios FM e 73 rádios AM. O processo de renovação passa obrigatoriamente pelo Congresso Nacional. Consulte a relação das emissoras clicando aqui.
COMENTÁRIOS:
O bom disso é que a sociedade vai ficar sabendo os nomes de politicos donjos de emissoras de ]Radios e TVs.
Barbalho ( aliado de Ana Julia), ACM, Collor(aliado de Lula), Sarney e tantos outros.....

Governo terá PAC para telecomunicações




O ministro Hélio Costa (Comunicações) disse hoje que enviará à Casa Civil até o fim do mês um projeto com políticas e metas para o setor de telecomunicações. Chamado por ele de PAC (Programa de Aceleração das Comunicações), o plano incluirá projetos já desenvolvidos no ministério, como o de levar internet para escolas públicas e a criação de instrumentos de educação à distância.

"Apresentaremos um detalhado documento com as políticas públicas de comunicação que deverão reger a relação entre o Ministério das Comunicações e a Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações)", disse Costa durante a cerimônia de posse do novo presidente da agência, Ronaldo Sardenberg.

O plano terá ações do Ministério das Comunicações e dos Correios para os próximos três anos e meio. Um dos projetos é separar freqüências para exploração de internet banda larga sem fio (Wimax) por prefeituras. O programa deve prever ainda a criação de uma espécie de provedor dos Correios que permitirá que todo brasileiro maior de 16 anos tenha um endereço de e-mail. Além disso, o ministro quer permitir que os Correios façam remessas para o exterior.

O ministro defendeu mudanças em várias leis do setor, entre elas o Plano Geral de Outorgas, de forma a permitir fusões entre empresas nacionais do setor. "O Brasil precisa de uma grande empresa nacional de telecomunicações. Sem uma grande player no setor para defender os interesses nacionais não vamos passar de eternos atores secundários na globalização", declarou.
Jornalismo: Um guerreiro solitário na Amazônia

Belém, 26/06/2007 – “Me sinto como Prometeu”, afirma Lúcio Flávio Pinto, jornalista que mantém um exemplo radical de meio de comunicação alternativo em Belém, capital do Pará e principal porta de entrada para a Amazônia. Trinta e dois processos judiciais, ameaças de morte e agressões físicas são o resultado de suas denúncias no Jornal Pessoal, que publica quinzenalmente desde 1987. Seus principais alvos são a corrupção, as fraudes para conseguir terras e os abusos de poder do maior grupo local de mídia em um Estado conhecido pela quantidade de assassinatos de ativistas políticos e sociais.

Responder a 18 ações judiciais ainda pendentes ocupa “80% de meu tempo”, afirma Lúcio Flávio. Seus inimigos – afirma – procuram enredá-lo, obrigando-o a defender-se em muitos processos, o que aumenta o perigo de algum deslize formal na defesa. Além disso, lhe tiram tempo para escrever. Esse cerco judicial o impediu de deixar Belém para receber um prêmio nos Estados Unidos em 2005, pois temia perder prazos e audiências e arriscar-se a uma condenação. Esse tipo de prisão lhe lembra Prometeu, o herói da mitologia grega que roubou o fogo divino dos deuses para dá-lo aos seres humanos e, como castigo, foi acorrentado a uma rocha visitada por um abutre que devorava suas entranhas.

O Jornal Pessoal, produto de um esforço exclusivamente individual, tem a missão de divulgar fatos e assuntos omitidos pela grande imprensa devido a interesses econômicos ou políticos de seus proprietários. São apenas dois mil exemplares vendidos em bancas e para “dar ao cidadão a informação necessária para suas decisões e para lutar com os poderosos em condições de igualdade”. Sem publicidade ou outra fonte de renda além da venda direta aos leitores, Lúcio Flávio enfrenta dificuldades para cumprir solitariamente a missão que assumiu: ser “uma pedra no sapato” dos poderosos. Não aceita apoios financeiros porque a credibilidade é sua principal arma e exige total independência. Além de sua modesta casa, tem apenas um velho automóvel.
Lúcio Flávio já havia se destacado como um grande conhecedor da Amazônia e escrito em dois importantes jornais quando publicou, em setembro de 1987, o primeiro número do Jornal Pessoal, inspirado em uma iniciativa semelhante do norte-americano Isidor Feinstein Stone, cujo I. F. Stone’s Weekly, publicado em Washington entre 1953 e 1971, teve grande repercussão. O Jornal Pessoal nasceu porque o jornal O Liberal, de Belém, se negou a publicar uma reportagem investigativa na qual Lúcio Flávio expunha vínculos de dois grandes empresários com o assassinato do ex-deputado Paulo Fonteles, advogado de camponeses envolvidos em conflitos de terras no Pará. Os donos do jornal temiam perder publicidade.
Suas críticas mais agudas se dirigem ao grupo Maiorana, que domina a comunicação no Pará, com um jornal, televisão e emissoras de rádio. Lúcio Flávio trabalhou em órgãos do grupo nos anos 80 e rompeu por discordâncias inconciliáveis. Sua batalha mais ampla, entretanto, é contra a “colonização” da Amazônia, vítima de decisões tomadas fora da região, que não se destinam ao bem-estar da população amazônica, mas a abastecer mercados externos. O Pará é o exemplo mais evidente. Suas grandes mineradoras de ferro, bauxita, manganês e outras matérias-primas, bem como a central hidrelétrica de Tucuruí, a segunda maior do Brasil e a quarta do mundo, são projetos estrangeiros, já que beneficiam principalmente outros mercados.

sábado, 7 de julho de 2007

ESTADO DE CARAJÁS: AQUI JAMAIS!!!!

Este é o lema da campanha que vai ser desenvolvida pelo movimento contra o Estado de Carajás (ESTADO DAS ELITES LATIFUNDIARIAS DO SUL E SUDESTE E CVRD)


Esta semana foi votada na Comissao de Conastiotuição e Justiça o PDL 052/2007 de autoria do senador Leomar Quintanilha do Tocantins, este projeto autoriza o plebiscito (consulta a população) sobre a possibilidade de criação do novo Estado.

No entanto, ainda precisa ser votado no Plenário do Senado e da Câmara.

Estado de Carajás???

Se fosse criado teria uma extensao de 284.721 quilometros quadrados e uma população de 1,3 milhao de habitantes. O grande problema é saber por qeu criar um novo estado? Se a atual lógica de desenvolvimento serve apenas para fortalecer o capital ( não a capital: Belem). As elites do agronegocio e politicos são os maiores interessados. Portanto, é necessário um amplo debate sobre a criação deste estado, poruqe se não, mas uma vez estaremso sendo enganados com discurso de "desenvolvimento".

Estado de Carajás, aqui jamais!!!!!
TRABALHO ESCRAVO NA AMAZÔNIA

Comete um grande equívoco quem iguala a situação atual àquela que existia no país até o final do século 19. Afirmar que, apesar da Lei Áurea, a escravidão não terminou é fazer uma confusão que acaba atrapalhando a busca de soluções objetivas para o problema.

Esta semana mais um caso denunciado, desta vez no municipio de Ulianópolis, onde a empresa Pagrisa que produz cana-de-açucar foi flagrada com trabalho escravo.